terça-feira, 17 de julho de 2012

A Formiga Carregadeira





A Formiga Carregadeira


Eis que os olhos do Senhor estão sobre os que o temem, sobre os que esperam na sua benignidade, para os livrar da morte, e para os conservar vivos na fome.  A nossa alma espera no Senhor; ele é o nosso auxílio e o nosso escudo. Pois nele se alegra o nosso coração, porquanto temos confiado no seu santo nome. Seja a tua benignidade, Senhor, sobre nós, assim como em ti esperamos. (Salmos 33, 18-22) 

Quando criança, costumava brincar de esconde-esconde com meus amigos da vizinhança.

No entanto, eu nunca tinha paciência suficiente para ficar escondido por muito tempo em algum canto, esperando que me achassem. Logo cansava, revelando-me, e (é claro!), sendo perdedor na brincadeira.

Uma vez, porém, escondi-me entre uma árvore e um muro. Foi quando percebi a presença de uma pequena formiga, que insistentemente tentava escalar o muro, carregando com ela um pedaço de folha que era muito maior que seu próprio corpo.
  
Comecei então a contar quantas vezes ela caía, voltava ao ponto inicial, pegava a folha novamente e, então, retomava sua escalada. Foram setenta e sete vezes até que ela, finalmente, chegou com a folha no topo do muro.

Nunca mais esqueci aquela cena, que
,
 além de me ensinar muito sobre o valor da persistência, fez-me ganhar no esconde-esconde pela primeira vez (e fiquei tão bom naquela brincadeira que, em pouco tempo, ninguém mais queria brincar daquilo comigo!).

Hoje, adulto, percebo que é a perseverança que revela a fé genuína.

A Bíblia diz que “aquele que perseverar até o fim, esse será salvo” (Marcos 13, 13). E Jesus nos ensina que “devemos orar sempre, sem esmorecer” (Lucas 18, 1).

Agora, leia este parágrafo com a maior atenção: a oração que toma como motivo para desânimo o fato de preces passadas não terem sido atendidas, já deixou de ser uma oração de fé. Para uma real oração de fé, a ausência de resposta é somente uma evidência de que o momento dessa resposta está muito mais próximo.

Ficou entendido? São Mateus sintetiza isso da seguinte maneira: “pedi, e dar-se-vos-á; buscai, e achareis; batei e abrir-se-vos-á.” (Mateus 7, 7).

Se o Senhor está nos fazendo esperar, devemos mencionar o assunto a Ele outra vez, mas façamo-lo sempre como alguém que está crendo. Devemos “orar sem cessar” (1 Tessalonicenses 5, 17), de tal modo a nunca perdermos a fé, mas crescermos na fé; e “devemos sempre dar graças por tudo a Deus, nosso Pai, em nome de nosso Senhor Jesus Cristo” (Efésios 5, 20), pois Ele é o Criador de tudo e de todos, e através do Espírito Santo, que é o Consolador, jamais falha.

Como diz a Bíblia, “espera no Senhor, anima-te e Ele fortalecerá o teu coração” (Salmos 27, 14). O verdadeiro poder da oração vem daquele que persevera, que insiste na petição e a renova a todo instante, tomando forças a partir da sua oração anterior.

Oração e perseverança devem estar sempre juntas; e louvor a Deus, sempre presente.

Orar é como fazer algum esporte: se um atleta passa um único dia sem praticar, já nota a diferença. A perfeição só vem através do exercício permanente. Se um nadador deixar de praticar, sabemos qual será o resultado.

Devemos exercer nossa prática religiosa com o mesmo espírito dos esportistas, e seguindo o belo exemplo da formiga carregadeira:

Só assim caminharemos para a perfeição, e só assim começaremos a vencer, pois àqueles que perseveram, Deus lhes promete vitória (veja Filipenses 3, 13-14).




Texto escrito por
Marcos de Lacerda Pessoa
em 8 de janeiro de 2004



Beijos meus cheios de luz, paz, amor, fé e esperança!  

Nenhum comentário:

Postar um comentário

"Concedei-nos, Senhor, a serenidade necessária
Para aceitar as coisas que não podemos modificar,
Coragem para modificar aquelas que podemos,
E sabedoria para distinguir umas das outras".

:a   :b   :c   :d   :e   :f   :g   :h   :i   :j   :k   :l   :m   :n   :o   :p

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails