segunda-feira, 2 de março de 2009

-DESERTO, DESERTOS -



fonte aqui




Deserto, desertos

CADA UM TEM SEU DESERTO A ATRAVESSAR

O que evoca para nós a palavra deserto? Silêncio, imensidão, vento abrasador? Não apenas. Evoca também sede, miragens, escorpiões... e o encontro do mais simples de si mesmo no olhar assombrado e surpreso do homem ou da criança que brota não se sabe de onde – entre as dunas?

Existem os desertos de pedras e de areias, o deserto do Hoggar, de Assekrem, de Ténéré e do Sinai e de outros lugares ainda... o deserto é sempre o alhures, o outro lugar, um alhures que nos conduz para o mais próximo de nós mesmos.

Existem os desertos na moda, onde a multidão se vai encontrar como um pode tagarela, em espaços escolhidos, onde nos serão poupadas as queimaduras do vento e as sedes radicais; deles se volta bronzeado como de uma temporada na praia, mas ainda por cima, com pretensões à “grande experiência”, que nos transformaria para sempre em “grandes nômades”...

Existem, enfim, os desertos interiores. Temos que falar deles, saber reconhecer o que apresentam de doloroso e tórrido, mas tentando também descobrir, aí, a fonte escondida, o oásis, a presença inesperada que nos recebe, debaixo de uma palmeira sorridente, em redor de uma fogueira onde a dança dos “passantes” se junta à das estrelas. Pois o deserto não constitui uma meta; é, antes, um lugar de passagem, uma travessia. Cada um, então, tem a sua própria terra prometida, sua expectativa que deverá ser frustrada, sua esperança a esclarecer.

Algumas pessoas vivem esta experiência do deserto no próprio corpo; quer isto se chame envelhecer, adoecer ou sofrer as conseqüências de um acidente. Esse deserto às vezes demora muito a ser atravessado.

Outras pessoas vivem o deserto no coração das suas relações, deserto do desejo ou do amor, das secas ou dos aborrecimentos que não aprendemos a compartilhar.

Há também os desertos da inteligência, onde o mais sábio vai esbarrar no incompreensível e o mas consciente no impensável. Só conseguimos conhecer o mundo e as suas matérias, a nós mesmos e às nossas memórias quando atravessamos os desertos.

Temos, finalmente, o deserto da fé, o crepúsculo das idéias e dos ídolos, que havíamos transformado em deuses ou em um Deus, para dar segurança às nossas impotências e abafar as nossas mais vivas perguntas.

Cada pessoa tem seu próprio deserto a atravessar. E a cada vez será necessário desmascarar as miragens e também contemplar os milagres: o instante, a aliança, a douta ignorância e a fecunda vacuidade.

fonte aqui




Não deixes Senhor que o deserto se instale.


Não deixes Senhor que a areia tome conta do meu espaço.

Não deixes Senhor que ela tudo invada e faça morrer a vida.

Descobre em mim Senhor a rocha de onde brota a água,e fere-a com o bastão do Teu amor.

Dessa água Senhor, a Tua água Senhor, nasce a Vidae o louvor no meu coração.

Amen.


Boa e linda semana a todos(as)!

Rosane!

4 comentários:

  1. Quando um deserto se instala no coração da gente, é a coisa mais triste do mundo! Que Deus não permita esse deserto em nossas vidas. Linda mensagem pra começar bem a semana, mãezinha querida!

    Beijão no seu coração!

    ResponderExcluir
  2. Rô , fiquei sabendo pela Du que vc está dodói. Minhas orações para vc. Melhoras!!!

    ResponderExcluir
  3. Estou atravessando um desertão... parece que não vai ter fim...
    Ainda bem que existem pessoas bacanas como vc que nos ajudam a atravessá-lo.
    Beijos

    ResponderExcluir

"Concedei-nos, Senhor, a serenidade necessária
Para aceitar as coisas que não podemos modificar,
Coragem para modificar aquelas que podemos,
E sabedoria para distinguir umas das outras".

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails