sexta-feira, 27 de fevereiro de 2009

EM TEMPO DE QUARESMA - "A ORAÇÃO " -



Em tempo de quaresma

A Oração.

O estudo metódico das Sagradas Escrituras nos ensina o que é a fé e nos oferece uma copiosa quantidade de exemplos sobre a beleza de sua vivência. Elas reportam constantemente, ademais, a atenção dos estudantes que as freqüentam às realidades celestes, oferecendo, com isto, mediante o auxílio da graça divina, a oportunidade de praticar esta virtude. O mesmo pode-se dizer da meditação sobre o Credo, que nada mais é do que uma oportunidade de praticar a virtude da fé, se a graça estiver presente.
Mas se estes meios nos oferecem os ensinamentos sobre a natureza desta virtude e a oportunidade de praticá- la, não são capazes de alcançar, por si sós, a graça necessária para viver da fé ou mesmo para fazer um só ato de fé.
Para alcançar a graça, o Evangelho nos ensina que é necessário recorrer à oração. Nas coisas da fé, diz
Hugo de São Vítor,


"o conselho do homem,sem o auxílio divino, é enfermo e ineficiente. É necessário, portanto,levantar-se à oração, e pedir o seu auxílio, sem o qual nenhum bem pode ser alcançado. Isto é, é necessário pedir a sua graça,a qual, para que tivesses chegado até aquipara pedi-la,era ela que já te iluminava,e daqui para a frente será quem haverá de dirigiros teus passos para o caminho da paz,e de cuja única boa vontade depende que sejas conduzido ao efeito da boa obra. Não serás obrigado,serás ajudado. Se apenas tu operares,nada realizarás; se apenas Deus operar, nada merecerás. Aquele que corre por esta via,busca a vida".


Destas palavras tão densas como singelas pode-se deduzir o que seja a oração:

"É necessário levantar-se à oração",

diz Hugo de São Vítor,

"e pedir-lhe o seu auxílio,isto é, a sua graça, sem a qual não se encontrao caminho da paz".


A oração é, portanto, uma elevação da mente até Deus, para pedir-lhe a fé e a graça do Espírito Santo.
Desta definição podem deduzir-se duas conclusões.
A primeira, que a oração é algo muito simples, pois, de fato, qualquer pessoa que se dirigir a Deus e lhe pedir a fé e o Espírito Santo estará orando.
A segunda, que a oração é, não obstante a sua simplicidade, algo bastante diverso do que a maioria das pessoas costumam supor. A oração pressupõe, em primeiro lugar, pessoas que estejam dispostas a desviar suas atenções das coisas da terra e elevá-las até Deus; pressupõe também, em segundo lugar, pessoas que estejam interessadas em pedir a vivência da fé, ou, o que é a mesma coisa, a graça do Espirito Santo, cuja manifestação principia com a fé e culmina com o dom da sabedoria. Ora, apesar da aparente simplicidade que estas palavras encerram, cada um pode perguntar a si mesmo quantas pessoas conheceu que durante as suas vidas elevaram seriamente suas mentes até Deus para pedir-lhe precisamente estes bens, ou mesmo que tenham alguma vez pelo menos pensado seriamente nesta possibilidade.
Não houve, porém, coisa que os santos mais desejaram do que a graça do Espírito Santo e foi precisamente através da oração, ensina-nos a Sagrada Escritura, que eles a obtiveram:


"Eu a amei mais do que a saúde e a formosura",

diz o autor do Livro da Sabedoria,

"busquei-a desde a minha juventude, e procurei tomá-la para mim como esposa. Fiquei enamorado de sua beleza, porque Deus somente ama aquele que habita com a sabedoria. É ela que através das gerações forma os amigos de Deus e os profetas, e os que usaram dela foram feitos participantes da amizade de Deus".


Sab. 7, 10; 8, 2; 7, 28; 7, 27; 7, 14

Em seguida, o mesmo autor nos explica como esta graça, à qual ele se refere através do dom de sabedoria e que diz ter buscado "desde a sua juventude, enamorado pela sua beleza", lhe foi concedida através da oração:


"Por tudo isto eu desejei a inteligência e ela me foi dada; invoquei o Senhor, e veio a mim o Espírito da sabedoria. Como eu sabia que não poderia obtê-lase Deus não ma desse, e isto já era um efeito da sabedoria, o saber de quem vinha este dom, dirigi-me ao Senhor, e fiz-lhe a minha súplica: `Dá-me, Senhor, aquela sabedoria, que está sentada contigo no teu trono, e não me queiras excluirdo número dos teus servos, porque ainda que alguém seja perfeitoentre os filhos dos homens, se estiver ausente dele a tua sabedoria, será considerado como nada'".


Sab. 7, 7; 9, 4-6

Isto é o que nos ensina sobre a oração um santo do Velho Testamento, o autor do Livro da Sabedoria.

Não é outro também o ensinamento de Jesus a este respeito. Diz o Evangelho de São Lucas que Jesus exortava os seus apóstolos a se dirigirem a Deus como a um pai e pedir- lhe a graça do Espírito Santo, dando-lhes a certeza de que seriam atendidos:


"Eu vos digo",

diz Jesus no Evangelho de São Lucas,

"pedi e dar-se-vos-á,buscai e encontrareis,batei e abrir-se-vos-á.Pois todo aquele que pede, recebe;e o que busca, encontra;e ao que bate, se lhe abrirá. Se um filho pedir pão,qual é entre vós o paique lhe dará uma pedra?Ou, se pedir um peixe,dar-lhe-á ele, em vez de peixe,uma serpente?Ou se lhe pedir um ôvo,porventura dar-lhe-á um escorpião? Se pois, vós, sendo maus,sabeis dar boas dádivas a vossos filhos,quanto mais o vosso Pai celestialdará o Espírito Santo aos que lhO pedirem?"
Lc. 11, 9-13


Aparentemente o principal conteúdo desta passagem parece ser o ensinamento de que Deus é bom e não recusa a oração de seus filhos. Há, porém, outro ensinamento contido nestas frases de Jesus que só parece secundário porque está insinuado de uma forma indireta: Jesus nos ensina, nesta passagem, que aquilo que os filhos de Deus pedem a Deus na oração é a graça do Espírito Santo.
Nisto, portanto, poderemos saber se somos filhos de Deus e se somos conduzidos pelo Espírito de Deus, isto é, se oramos freqüentemente e se quando o fazemos a nossa verdadeira e sincera preocupação é alcançar de Deus a fé e a graça do Espírito Santo.
Este ensinamento de Jesus foi muito bem percebido por Hugo de São Vitor que, ao comentar esta passagem do Evangelho, nos disse o seguinte:


"Está escrito:
`Se vós, sendo maus, sabeis dar coisas boas aos vossos filhos, quanto mais o vosso Pai que está nos céusdará o Espírito Santo aos que lhO pedirem?' Portanto",

diz Hugo de São Vitor,

"o Pai celeste dará o Espírito Santo aos filhos que lho pedirem.Os que são filhos,não pedem outra coisa; os que pedem outras coisas são servos mercenários,não filhos. Os que pedem prata,os que pedem ouro, os que pedem coisas que passam,os que não pedem o que é eterno,pedem o ministério da servidão,não o Espírito da liberdade. O que for pedido, isto será dado;se pedes o corporal,não receberás mais do que o que pedes. Se pedes o espiritual,o que pedes será concedidoe o que não pedes será acrescentado;será dado o espiritual,será acrescentado o corporal. `Buscai em primeiro lugaro Reino de Deus,e tudo o resto vos será acrescentado'. Deve-se, portanto, orar ao Pai,e ao Pai, que está nos céus,pedir os bens celestes,não os da terra; não a substância corporal, mas a graça espiritual".

Hugo de S. Vitor De Quinque Septenariis

"Os que são filhos", diz este texto, "não pedem outra coisa; os que pedem outras coisas são servos mercenários, não filhos". Deve-se comparar esta afirmação com outra afirmação da Epístola aos Romanos:

"São filhos de Deus",

diz São Paulo na Epístola aos Romanos,

"todos aqueles que são conduzidos pelo Espírito de Deus".

Rom. 8, 14

Os dois textos declaram de forma diversa quem são os filhos de Deus. Hugo de São Vitor diz que são filhos de Deus todos aqueles que pedem a Deus, como a um Pai, a graça do Espírito Santo. São Paulo diz que são filhos de Deus aqueles que são conduzidos pelo Espírito Santo. Ambos, porém, estão ensinando a mesma coisa, pois não é possível dirigir-se a Deus e pedir- lhe sinceramente a graça do Espírito Santo sem ser movido pela própria graça do Espírito Santo. De fato, já havíamos examinado anteriormente uma passagem do Didascalicon de Hugo de S. Vitor em que ele dizia:

"É necessário pedir a Deusa sua graça,a qual, porém, para que tivesses chegado até aqui para pedí-la, era ela que já te iluminava, e daqui para a frente será quem haverá de dirigir os teus passos para o caminho da paz".

Nas Sagradas Escrituras, o livro da Sabedoria nos ensina o mesmo quase com idênticas palavras:

"Como sabia que não poderiaobter de Deus a sabedoria,se Deus não ma desse, e isto já era um efeito da sabedoria, o saber de onde vinha este dom, dirigi-me ao Senhor, e fiz-lhe a minha súplica".

Sab. 8, 21

Ora, Jesus nos ensinava a que nos devíamos tornar como crianças se quiséssemos entrar no Reino de Deus:

"O que não receber o Reino de Deuscomo um menino, não entrará nele",

dizia Jesus (Lc. 18, 17).

Ele nos ensinava ademais a orar sempre, sem jamais desanimar, com a confiança de que seríamos atendidos:

"Contava-lhes parábolas",

diz São Lucas de Jesus,

"para mostrarque é necessário orar sempre sem jamais desanimare dizia: `Deus não fará justiça aos seus escolhidos, que estão clamando a Ele,de dia e de noite, e tardará em os socorrer?Digo-vos que depressa lhes fará justiça'".

Lc. 18, 1; 18, 7

Ora, esta atitude de pedir a Deus constantemente o dom mais precioso, na certeza de sermos ouvidos e de que não há outro caminho para obtê-lo, é o comportamento próprio de quem é filho e ainda é criança. São os filhos quando ainda são crianças que pedem aos pais as coisas mais importantes na certeza de serem ouvidos e de que não há outro modo para eles de as obterem. Isto, como vimos, em nós já é fruto da graça do Espírito Santo. Quando nós, portanto, movidos pelo Espírito Santo, pedimos sinceramente a Deus a graça do Espírito Santo com constância, com a certeza de que seremos ouvidos e de que não podemos obtê-la senão de Deus, já estamos tratando a Deus como a um Pai e já estamos vivendo como filhos de Deus. É por isso que diz também São Paulo na Epístola aos Romanos:

"Vós recebestes o espírito de adoção de filhos,pelo qual clamamos a Deuschamando-o de Pai,pois o mesmo Espírito Santodá testemunho ao nosso espíritode que somos filhos de Deus".

Rom. 8, 15-16

Tal é, pois, o poder da oração: nos introduz e nos faz crescer na filiação divina e é através dela que nos é dada a graça do Espírito Santo.
A mesma coisa transparece na oração ensinada por Jesus conhecida como o Pai Nosso. Quando nela Jesus nos ensina a pedir a Deus

"venha a nós o vosso Reino",

está com isto nos ensinando a pedir a graça do Espírito Santo, que é o mesmo que pedir o Reino de Deus. Antes deste pedido, porém, invocando a Deus como Pai, está nos ensinando a dirigirmos Ele a nossa atenção; dizendo

"que estás no céu",

está nos ensinando que não é possível dirigirmo-nos a Deus sem elevarmos a nossa alma, o que se faz através da fé; pedindo, antes do Reino, que

"seja santificado o vosso nome",

está nos ensinando que a nossa própria santificação que vem pela graça do Espírito Santo se ordena ela mesma à glória de Deus. Só depois de termos pedido o seu Reino é que ele passa a pedir as demais coisas. Trata-se, portanto, do mesmo ensinamento da parábola do ovo e da serpente e da passagem das aves do céu e dos lírios do campo, em que Ele nos ensina que devemos

"buscar em primeiro lugaro Reino de Deus e a sua justiça,e tudo o mais será depois acrescentado".

Mt. 6, 33
Fonte aqui

Religiosa"Para mim, a oração é um impulso do coração, um simples olhar dirigido para o céu, um grito de agradecimento e de amor, tanto do meio do sofrimento como do meio da alegria. Em uma palavra, é algo grande, algo sobrenatural que me dilata a alma e me une a Jesus." (Santa Teresinha)

Tenham todos um final de semana cheio da graça do Senhor!

Rosane!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

"Concedei-nos, Senhor, a serenidade necessária
Para aceitar as coisas que não podemos modificar,
Coragem para modificar aquelas que podemos,
E sabedoria para distinguir umas das outras".

:a   :b   :c   :d   :e   :f   :g   :h   :i   :j   :k   :l   :m   :n   :o   :p

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails