segunda-feira, 22 de setembro de 2008

Início da Primavera

Flor-de-lótus
A flor que simboliza uma nova vida, a pureza e a ressurreição

Trata-se de uma planta nativa da Ásia, habitante de cursos de água lentos ou lagoas de água doce, vivendo a pouca profundidade. É enraizada no fundo lodoso por um rizoma vigoroso, do qual partem grandes folhas arredondadas, sustentadas acima do espelho de água por longos pecíolo. Produz belas flores rosadas ou brancas, grandes e com muitas pétalas. Este lótus é cultivado como planta ornamental em jardins aquáticos de todo o mundo. Sua simbologia, entretanto, é uma de suas virtudes mais visadas: é associada à pureza e à ressurreição. Segundo o Budismo, Buda teria nascido embalado por uma folha de lótus, e logo ao nascer teria caminhado sobre a água, e de cada passo seu, teria brotado uma flor desta espécie. "Flor de lótus" também é o nome de uma posição de meditação.


Início da Primavera, uma ressurreição

E com ela nos vem um sentimento gostoso de que tudo será diferente. Saímos do inverno tempo em que ficamos quase que em estado de embernação , apesar de um tanto quanto bem ameno por aqui no sudeste do país. Mas com a estação da flores chegando pré anunciando o verão, dizendo para nós que é tempo de renovação. Renovação na natureza que começa a dar indicio de vida nova. Nos avisando que a vida continua latente em nosso corpo, em nossa alma. Nos dando novos rumos, novas direções nos convidando a começar novos projetos em nossas vidas.

A Primavera nos convida a tomarmos a vida nas próprias mãos e a descobrirmos a grandeza que ela tem. Só a nós criaturas feitas a imagem e semelhança do Criador nos foi dado esse dom, decidirmos os rumos de nossa história. Nada melhor que está estação para que isso aconteça. Assim como a flor-de-lótus apesar de crescer no fundo dos lodos, vem a tona à superfície na sua floração, limpa e delicadamente bela. Assim eu vejo minha vida no início dessa Primavera.
Rosane



Cecília Meireles descreve a Primavera assim...

Primavera

A primavera chegará, mesmo que ninguém mais saiba seu nome, nem acredite no calendário, nem possua jardim para recebê-la. A inclinação do sol vai marcando outras sombras; e os habitantes da mata, essas criaturas naturais que ainda circulam pelo ar e pelo chão, começam a preparar sua vida para a primavera que chega.

Finos clarins que não ouvimos devem soar por dentro da terra, nesse mundo confidencial das raízes, — e arautos sutis acordarão as cores e os perfumes e a alegria de nascer, no espírito das flores.

Há bosques de rododendros que eram verdes e já estão todos cor-de-rosa, como os palácios de Jeipur. Vozes novas de passarinhos começam a ensaiar as árias tradicionais de sua nação. Pequenas borboletas brancas e amarelas apressam-se pelos ares, — e certamente conversam: mas tão baixinho que não se entende.

Oh! Primaveras distantes, depois do branco e deserto inverno, quando as amendoeiras inauguram suas flores, alegremente, e todos os olhos procuram pelo céu o primeiro raio de sol.

Esta é uma primavera diferente, com as matas intactas, as árvores cobertas de folhas, — e só os poetas, entre os humanos, sabem que uma Deusa chega, coroada de flores, com vestidos bordados de flores, com os braços carregados de flores, e vem dançar neste mundo cálido, de incessante luz.

Mas é certo que a primavera chega. É certo que a vida não se esquece, e a terra maternalmente se enfeita para as festas da sua perpetuação.

Algum dia, talvez, nada mais vai ser assim. Algum dia, talvez, os homens terão a primavera que desejarem, no momento que quiserem, independentes deste ritmo, desta ordem, deste movimento do céu. E os pássaros serão outros, com outros cantos e outros hábitos, — e os ouvidos que por acaso os ouvirem não terão nada mais com tudo aquilo que, outrora se entendeu e amou.

Enquanto há primavera, esta primavera natural, prestemos atenção ao sussurro dos passarinhos novos, que dão beijinhos para o ar azul. Escutemos estas vozes que andam nas árvores, caminhemos por estas estradas que ainda conservam seus sentimentos antigos: lentamente estão sendo tecidos os manacás roxos e brancos; e a eufórbia se vai tornando pulquérrima, em cada coroa vermelha que desdobra. Os casulos brancos das gardênias ainda estão sendo enrolados em redor do perfume. E flores agrestes acordam com suas roupas de chita multicor.

Tudo isto para brilhar um instante, apenas, para ser lançado ao vento, — por fidelidade à obscura semente, ao que vem, na rotação da eternidade. Saudemos a primavera, dona da vida — e efêmera.

Texto extraído do livro "Cecília Meireles - Obra em Prosa - Volume 1", Editora Nova Fronteira - Rio de Janeiro, 1998, pág. 36

6 comentários:

  1. Eu não sabia nada da "Flor de lótus", muito legal!
    Apesar das minhas crises de rinite alérgica por causa do pólem das flores, eu amo a primavera!

    Grande beijo, amada Rô! Que você tenha uma semana repleta de luz e paz no coração!

    ResponderExcluir
  2. Ei, vó, muito legal seu texto! E a história da flor de lótus, eu não sabia! Apesar de ter feito Yoga mto tempo e conhecer a posição do lótus e saber um pouquinho sobre hinduísmo e budismo, essa história do Buda eu não sabia... Que belo símbolo!

    E que seja uma época de recomeço, então. Que seja um "florescer" de corações tb... =)

    Um beijo grande, vó, fica com Deus!

    ResponderExcluir
  3. Vó,
    seu post hoje ta mais que perfeito, flor de lotus, poema de cecilia.... tuudo perfeito!!
    Deve ser a primaveraa, deve ser não, é a primavera!!!
    Lindoo, lindoo!!
    Beijooos, vó!!

    ResponderExcluir
  4. Sua nova casa está linda mesmo ein?
    Adorei.
    Boa primavera para voce
    Beijocas

    ResponderExcluir
  5. Toc, toc, toc...
    Com licença, vovó?
    Estou entrando na sua morada. Sei que não fui convidada, mas quis vir visitar esse lar tão elogiado. E já fui recebida com dois textos lindos e singelos... Que maravilha!

    Desculpa a invasão, mas pelo menos minha mãe não vai brigar comigo, fiz o que ela me ensinou... Fui educada e bati na porta antes de entrar... =)

    Linda sua casa, Vovó! Vou ficar vindo visitá-la mais vezes, tah?

    Beijos!

    ResponderExcluir
  6. Rô querida, começamos a primavera sintonizadas no mesmo texto da Cecília Meireles.
    Linda a história da flor-de-lótus, não a conhecia.
    Vamos renascer...é primavera.
    Bjim.

    ResponderExcluir

"Concedei-nos, Senhor, a serenidade necessária
Para aceitar as coisas que não podemos modificar,
Coragem para modificar aquelas que podemos,
E sabedoria para distinguir umas das outras".

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails