sexta-feira, 18 de abril de 2008

Bolgagem Coletiva - Contra o Analfabetismo -







Analfabetismo no Brasil!
- Dia nacional do livro infantil -

O que eu faria para que o analfabetismo no Brasil acabasse?Desde a convocação da Blogagem Coletiva contra o Analfabetismo no Brasil, idealizada pela Geórgia (http://saia-justa-georgia.blogspot.com/)e e a Meiroca (http://meiroca.com/2008/03/25/o-que-voce-faz-para-acabar-com-o-analfabetismo-no-brasil/0 ,comecei a pensar no que eu faria para que o analfabetismo no Brasil acabasse ou pelo menos diminuísse seu número.

Em primeiro lugar:-

Como acabar com o analfabetismo em nosso país, se o nosso povo tem fome?
Meu povo tem fome, não só fome de palavras, mas fome de estômago. Como mandar uma criança para escola se ela nem ao menos conseguiu tomar um básico café da manhã (leite com café e um pedaço de pão) ou um prato de arroz com feijão e banana, que é o mínimo do mínimo para uma refeição? Isso para que ela possa parar em pé.Sou católica, e pertenço a Pastoral da Família trabalhando com noivos. Minha Paróquia de Base é a Catedral Metropolitana de minha cidade Campinas SP, e por mais incrível que possa parecer não é uma comunidade de poder aquisitivo alto, muito pelo contrário são pessoas muito simples e humildes que freqüentam esse templo. Depois de vários encontros de noivos (preparação para o matrimônio), nós, os integrantes do grupo percebemos que os casais que iam para o encontro, na maioria das vezes tinham fome, pois saíam de seus trabalhos e vinham direto para o local onde é realizado o encontro. Ou seja, com fome, pois não dá tempo de ir para suas casas, moram na periferia da cidade a maioria, para fazer uma refeição ou comprar algo para comer e forrar o estômago mesmo, como eles dizem. Mediante esse fato, chegamos à conclusão que com a barriga vazia o ser humano não pensa, não consegue discernir. Qual a solução? Oferecer a eles um bom e reforçado lanche.Por que estou dando exemplo de um fato que ocorre na realidade?Porque penso que, para que se nossas crianças, jovens e adultos que freqüentem uma carteira escolar, devem estar alimentadas, pois é fato que um ser humano desnutrido não vai conseguir aprender nada.Não estou aqui para querer ensinar ninguém, a pergunta é clara:-O que eu faria para acabar com o analfabetismo no Brasil?Uma das sugestões é essa. Mas de onde tirar recurso? Todos nós sabemos de onde. O recurso até sai dos cofres dos governos da Federação, dos estados e dos municípios. Mas será que chegam, e se chegam, são bem empregados? Dizem que sim... Mas o problema aqui é arrumar solução para o analfabetismo.Então, voltando ao assunto, em minha Igreja Católica existe algo que se chama Comunidade Eclesial de Base (
http://pt.wikipedia.org/wiki/Comunidades_Eclesiais_de_Base#O_que_s.C3.A3o_as_CEBs ). São grupos de pessoas que se reúnem para resolver problemas da comunidade.Não importa qual seja o problema, eles tentam resolvê-lo. E um dos projetos deles é alfabetização de jovens e adultos. Mas não é toda comunidade que tem uma CEB. Então a sugestão é essa: que tenhamos mais em nossas paróquias tais CEBs e junto pensemos em algo a respeito da alimentação também.As Dioceses deveriam destinar mais verbas para as CEBs; dizer que não tem recurso, não acredito e nem quero acreditar.
Em cada Paróquia também existe o CPP (Conselho Paroquial de Pastorais), que decidem todos os problemas da Paróquia; um deles é arrumar recurso financeiro para definir os rumos dos projetos a serem executados. Por isso acredito que deveria ser de prioridade, em todos os templos católicos, levar a cabo o Projeto da alfabetização e alimentação dos seres humanos que irão freqüentar as salas de aula de tais paróquias.

Definir qual o melhor método a ser usado: - Isso tem que ser prioridade -

Método Paulo Freire (ensina uma pessoa em três meses a ler e escrever) que a meu ver é o melhor, palavras geradoras: o processo proposto por Paulo Freire inicia-se pelo levantamento do universo vocabular dos alunos. Através de conversas informais, o educador observa os vocábulos mais usados pelos alunos e a comunidade, e assim seleciona as palavras que servirão de base para as lições. A quantidade de palavras geradoras pode variar entre 18 a 23 palavras, aproximadamente. Depois de composto o universo das palavras geradoras, apresenta-se elas em cartazes com imagens. Então, nos
círculos de cultura inicia-se uma discussão para significá-las na realidade daquela turma.
Método Cubano, que ensina uma pessoa em 35 dias a ler e escrever. No Piauí foi implantado esse método em alguns municípios e deu certo, porque não levar para todos? Se deu certo...
Seja qual for o método, desde que seja bom , o que importa é que estejam fazendo com que o analfabetismo acabe em nosso país.
Creio ser de suma importância saber:-
O Brasil tem 15 milhões de analfabetos absolutos. 35 milhões de analfabetos funcionais (pessoas que apresentam dificuldades de interpretar textos e não têm habilidade na escrita).Esses números não podem e não devem continuar nesse patamar. Sabemos que o nosso povo é um povo solidário, o que falta são pessoas que tomem a frente e de rumos a serem seguidos, é pedir, que o povo faz. Quem seguir? O próprio Pároco que é a autoridade máxima da comunidade.

Eu pergunto:

Como ficar parado vendo que uma pessoa pega um folheto da missa, está com ele de ponta cabeça, fazendo de conta que lê e fica quieto?Não posso concordar com isso. Temos que fazer algo, e faremos.Nos templos de nossos irmãos Evangélicos, acontece a mesma coisa: quantas Bíblias são abertas nos cultos, mas só estão abertas, para que o fiel não passe a vergonha de dizer que não sabe ler e escrever. Assim como nós católicos, várias Igrejas evangélicas possuem também suas Comunidades Eclesiais de Base.
A maioria dos adultos e jovens analfabetos têm vergonha de aceitar que são e por isso também não procuram os cursos oferecidos ou do governo, ou das Igrejas, ou da ONGS. Sendo assim, não conseguem empregos e no final vivem na miséria da obscuridade levados a miséria da vida, jogados na beira da estrada em profunda ignorância. Só nós podemos salvá-los!Voltando a minha sugestão, não estou afirmando que a Igreja Católica Apostólica Romana não coloque em prática tal projeto, muito pelo contrário, sei que coloca, mas pouco tem divulgação. Qual melhor hora para sabermos que tal coisa existe se não ao término das missas quando o Padre diz:
"Sentados um pouquinho para os avisos".A maioria dos Párocos não divulgam com ênfase as boas ações dos paroquianos.Fica aqui a sugestão de uma católica praticante que já levou a idéia a seu pároco.
Mas tem um segundo ponto a ser abordado.
Em segundo lugar:

Minha origem é de uma família bem humilde, meus pais aos poucos foram construíndo suas vidas e galgando espaço no mundo.Por isso estudei em escola pública, porque na minha época de estudante, escola tinha que ser pública, porque era a melhor, muito melhor que a escola particular. Hoje em dia, ou seja, de 30 anos para cá, pois tenho um filho de 31 anos de idade, a escola pública tornou-se algo inviável a quem quer que seja. Escolas com seus prédios deploravelmente acabados, com PROFESSORES mal remunerados, com crianças que não possuem a mínima educação trazida de casa, pois seus pais acham que os mestres é que têm a responsabilidade de educá-los. Os mestres têm que fazer de um tudo para poder comandar uma sala de aula, para poderem ser ouvidos e respeitados. Fora a falta de segurança para os mesmos.Penso que o respeito e a boa educação acabaram. O "sim Senhor" e "não Senhor" já não existem mais no vocabulário de nossas crianças, infelizmente. Penso estar mais do que na hora desses novos papais pensarem um pouquinho no futuro de seus amados filhos.Criei três filhos e eduquei-os dentro do todo padrão da moral e dos bons costumes, e não me arrependo disso. Hoje eles são cidadãos educados e de boa índole. Criança tem que saber que pai e mãe é que tem as rédeas. Criança tem que ter limites, coisa que eles não sabem e não têm. Criança tem que respeitar seus professores. Os pais precisam dar mais atenção a seus filhos, verificar suas tarefas, participar da vida escolar de seus filhos, exigir suas notas, reforçar dentro de suas casas seus estudos, se são analfabetos os professores deveriam saber, exigir na hora de preencher a ficha de seus alunos ter algum parágrafo que constasse o grau de escolaridade dos mes
mos, e sendo detectado que são analfabetos, encaminhar seus pais a cursos de alfabetização de adultos, do tipo acima descrito.Os mestres deveriam incentivar mais seus alunos a leitura, a famosa cópia, ao ditado, as tomadas de ponto, as provinhas surpresa, a tomada da tabuada, as redações diárias, enfim...
Que isso Vovó Ro ficou maluca, você quer voltar ao passado?
Sim, meus amigos, eu gostaria de voltar ao passado, pois no meu passado não havia tantas crianças na rua, ou mesmo não havia crianças na rua, a não ser ao entardecer quando podíamos colocar nossas cadeiras na calçada e ver nossas crianças brincarem saudavelmente pela rua. No meu passado o número prostitutas infantis quase não existia e se existia era quase nada. No meu passado, meus mestres nos incentivavam a irmos à Biblioteca Pública para lermos pelo menos um livro ao mês. Hoje só o que sabemos dizer é que livro esta caro. Concordo, mas temos muitas bibliotecas, porque não freqüenta-las? Mas mesmo assim bato palmas aos nossos Mestres , SÃO VERDADEIROS HERÓIS, e peço ao Bom Deus que não deixe que eles percam a esperança de que tudo vai melhor, eu creio. Quando entram em greve é muito triste, mas só assim os NOSSOS GOVERNANTES CONSEGUEM ENTENDER, que um PAÍS SEM OS NOSSOS MESTRES O QUE PODE VIRAR. Será que é muito difícil pensar que sem nossos MESTRES, não mais haverá Mestres, Médicos, Políticos, Engenheiros, Pedreiros, Cozinheiros(as), Cientistas, Poetas, Escritores, Padres, Pastores.....seremos um nada, um nada...
Pessoas que eu amo, solução existe. Há solução para tudo só não há para a morte, dizia meu falecido pai. É só querermos, e não ficar a mercê de nossos governantes. Não temos que esperar nada de ninguém, apesar de pagarmos tantos impostos. Temos mais é que colocarmos a mão na massa e levantarmos nossa Bandeira, para mostrarmos para eles a nossa indignação e mostrarmos que não estamos satisfeitos com seus descaso a nosso respeito.
Frases que eu gosto sobre educação:
"A boa educação é moeda de ouro, em toda parte tem valor." (Padre Antônio Vieira)

"A única coisa que interfere com meu aprendizado é a minha educação." (Albert Eisntein)

"Educar é crescer. E crescer é viver. Educação é, assim, vida no sentido mais autêntico da palavra". (Anísio Teixeira)

"O grande segredo da educação pública de hoje é sua incapacidade de distinguir conhecimento e sabedoria. Forma a mente e despreza o caráter e o coração. As conseqüências são estas que se vê." (Theodore Palmquistes)

"A verdadeira educação consiste em pôr a descoberto ou fazer atualizar o melhor de uma pessoa. Que livro melhor que o livro da humanidade?" (Mahatma Gandhi)"

Educai as crianças, para que não seja necessário punir os adultos." (Pitágoras)

"A principal meta da educação é criar homens que sejam capazes de fazer coisas novas, não simplesmente repetir o que outras gerações já fizeram. Homens que sejam criadores, inventores, descobridores. A segunda meta da educação é formar mentes que estejam em condições de criticar, verificar e não aceitar tudo que a elas se propõe." (Jean Piaget)

11 comentários:

  1. Rosane, concordo com você de que a fome que se sente em nosso país é grande.
    É a fome do estômago, é a fome por um salário melhor, é a fome de ver seus filhos e esposas felizes, é a fome em ter um teto, é a fome por saúde, é a fome em poder estudar, etc.

    Temos problemas sociais enormes no Brasil e isso nao vai mudar e nao vai melhorar se as pessoas nao se conscientizarem que só estudando elas terao alguma chance.
    O Brasil está superlotado, mas infelizmenet as criancas nao vao mais as escolas por algum motivo.
    Na sua época vc nao precisou trabalhar, mas as criancas de hoje trabalham e muitas delas trazem a comida prá casa. Entao pra quê estudar?

    Muito bom o seu texto. Contestador em umas partes, apoiador em outras.

    Muito obrigada pela participacao.

    Valeu! Grande beijo

    ResponderExcluir
  2. Bom dia a todos!

    Não estou contestando o comentário da Georgia, mas so esclarecendo a minha indignidade por ter sido julgada sem ter conhecimento da minha vida.

    Sendo assim:-

    Na época precisei trabalhar para ajudar meus pais sim, fui para o mercado de trabalho aos treze anos de idade, estudava na parte da manhã e trabalhava em um Salão de Beleza, limpando os banheiros, as bancadas de trabalho das proficiosnais (limpando suas escovas, pentes...organizando seus apetrechos de trabalho), varrendo o chão apo´s cada corte de cabelo, lavando sua cumbucas e pincéis usados nas tinturas. Aos quinze anos fui convidada pela irmã da dona do estabelecimento para tomar conta da loja que havia dentro do salão, por minha boa educação e índole. Fiquei nesse trabalho por mais alguns meses. Nesse interim surgiu a oportunidade de trabalhar junto de minha mãe em Saõ Paulo na FEPASA (Ferrovia Paulista), passei em concurso e fui admitida como secretária de um famoso Major, pois naquela época a Cia. era comandada por alguns militares( ainda era a ditadura). Saí de lá para trabalhar em Campinas no BRADESCO, como caixa e depois como Gerente da Tesouraria da minha agência. Só deixei de trabalhar quando descobri que estava grávida do meu primeiro filho. Optei por não mais trabalhar fora para poder dar total e plena atenção aos meus filhos, os quais criei da mesma maneira que fui criada. Sendo assim meus filhos também já na tenrra idade começaram a trabalhar. Meu filho mais velho seguiu o mesmo caminho nosso(meu e de meu marido), e começou no mercado de trabalho aos 14 anos (tão novo por ser considerado gênio ou super dotado,do infantil 2 passou para a segunda série depois de aprovado pela Secretária de Ensino)cursando PD( progamação de dados) hoje formado em Engenharia da Computação, minha filha seguiu a mesma estrada e foi para o mercado de trabalho aos 13 anos sendo ajudante de almoxerifado de uma grande loja de calçados, hoje é formada primeiro no magistério, depois em Relações Públicas e não querendo parar de estudar fez Administração com Enfase em Informática e agora aos 29 anos resolveu depois longo e penoso preconceito(pois era obesa) realizar seu grande sonho ser COMISSÁRIA DE BORDO. E para terminar meu filho caçula seguindo os passos dos pais e irmãos começou a trabalhar como técnico de edficações aos 15 anos e hoje é formado Engenheiro Civil,já bem conceituado na área, pois só tem 26 anos e é papai do meu Mateus.

    Mas meus filhos pela graça de Deus e grande eforço nosso, de pais que amam seus filhos, não precisavamos de seus proventos, trabalhavam para poder dar vasão aos seus gastos superfulos e também para ter a vida que possuem hoje.
    Trabalhar não mata ninguém.

    Mas não concordo com crianças, tão pequeninas no mercado de trabalho, ISSO É ESCRAVIDÃO, concordo em irem trabalhar de acordo com suas idades corretas.

    Por isso fica bem claro que trabalho não mata ninguém principalamente a partir dos 15 anos de idade e não impede de dar continuidade aos Estudos.

    Concordo com Georgia que as milhares de milhões de crianças têm que trabalhar para trazer comida para casa, mas na maioria das vezes esses pais são grandes safados que abusão de suas crianças, são vagabundos por natureza,bebados, criminosos em potencial, que colocam filhos no mundo para poder usá-los ao seu bel prazer, culpando a sociedade por suas desgraças e com isso levando nossas crianças a viverem como vivem nos dias de hoje drogadas e prostituidas.
    Colocarmos só a culpa nos governantes e na sociedade é muito fácil. O difícil é fazer acontecer, assim como meus tataravós, bisavós,avós e pais e nós também, sim trabalharam e deram duro para formar esse nosso amado País.

    Fica aqui a minha indignação, de um julgamento sem conhecimento.

    Mas mesmo assim continuarei a participar das Blogagens coletivas que virão, me faz grande bem poder na minha pequenez de instrução e conhecimento dar minha partilha. Se é que serei convidada depois dessa declaração de tristeza e indignação.

    Não faço parte de uma blogagem coletiva para ganhar méritos e elogios de ninguém, mesmo porque não preciso disso, com meus quase 53 anos de vida não necessito disso, apenas dei a sugestão do que eu faria e vou fazer. Não vivo de números e indices e muito menos de indicações.
    Se faço parte é para levar a todos a solidariedade que falta para milhões...

    Desculpem aos que por aqui passarem, mas se faz mister não ficar calada.

    Obrigada a todos que me conhecem!

    Beijos!

    QUERO MAIS É SEGUIR OS ENSINAMENTOS DO MEU SENHOR!

    ResponderExcluir
  3. A minha sugestão é que haja uma fiscalização muito mais pesada sobre os recursos da educação, principalmente os do FUNDEC, Fundo Nacional da Educação, que é dinheiro da União repassado para os municípios, mas malversado por vereadores e prefeitos corruptos, que,por exemplo, alugam ônibus velhos caindo aos pedaços por preço de Ferraris F-40, dizendo serem usados para o transporte escolar, quando em verdade, são usados como forma de "tirar algum" para os safados.

    Mas,como vc bem disse, muitos pequenos atos podem ser praticados para combater esse mal que afeta à toda sociedade.

    ResponderExcluir
  4. VOVÓ RÕ
    não vou aqui deixar elogios aos seu post, mas tenho só vontade de faze lo, porque suas palavras motivou e tirou muita gente do sofá, das cadeiras confortaveis, de usas casa, e passarão a ter um outro olhar quando pensarem em arradicação de analfabetismo, e como e erradicação de qualquer doenaça, nao é/
    NÓS JÁ TEMOS MAIS ANOS DE CAMINHADA SABEMMOS BEM DISTO,
    Mas suas palavras sãoedificandtes, barriga vazia nao aprende nada mesmo, por isso logo em toda reuniao lá no nosso centro de convivwencia tem um lanchinho, que atrai muito as crianças, e a pastoral ajuda tambem, temos distribuição de livros e questionamas os pais sobre ao inves dos filhos verem tv porque não ficar lendo os livros que emprestamos, todos dia tem lição de casa, e creio que é em casa que tudo começa,
    avante, irmã é isto mesmo,
    se todos fizerem um puco um dia terá menos analfabetos,
    um beijao
    VOVÓ SUELLY
    http://aniscomcanela.blogspot.com.

    ResponderExcluir
  5. Rô, estou com você! ;)

    Continue assim, querida, me orgulho de ser sua filha do coração!...

    Desculpe a ausência, é a falta de tempo, gostaria de fazer mais um daqueles "comentários-posts" que vc já conhece, rsrs, mas depois volto aqui com mais calma, tá?

    Mil beijos!!!

    ResponderExcluir
  6. Roseane
    Você está certíssima com o estômago vazio não há condições de aprendizado.
    E as paróquias podem fazer muito mesmo, eu conheço várias pessoas que se alfabetizaram em suas igrejas e outras tantas que dedicam umas poucas horas do seu dia para ajudarem em trabalho voluntário em prol da alfabetização.
    Com isso estão proporcionando a muitas pessoas, para que as perspectivas aumentem, passem a ter mais segurança e confiança em si próprio, ou seja tornam-se pessoas felizes.
    Bjs,
    Denise BC

    ResponderExcluir
  7. Oi, vovó Rô, seu post ficou excelente, e seu comentário aqui também me comoveu muito ..
    Sua história de vida é edificante e muito bonita, um verdadeiro exemplo, pode ter certeza !!

    Bem, feriadão chegando, né, família reunida, espero que só coisas coisas boas caiam sobre a senhora e a família, porque coisas desagradáveis ninguém merece !!
    Obrigado pelas palavras lá no meu cantinho e sinta-se retribuida em todo o carinho que me dedica, meu carinho por você também não tem tamanho, é imenso !!

    Um beijão bem grande e fique com Deus .. Paz !!

    ResponderExcluir
  8. Ro, neste post voce deu um monte de sugestoes...espero que est nossa blogagem seja lida por gente que esta interessada em encontrar ideias e soluçoes, e com certeza chegando aqui encontrara diversas..
    Um beijo
    Meire
    www.meiroca.com

    ResponderExcluir
  9. Muito legal seu post. Sua história de vida também. Sim o povo tem fome, fome de comida, fome de saber, fome de justiça. Hoje é dia dos índios. Dia para celebrar a vida e também de luta pela reparação das violações que os povos indígenas vem sofrendo ao longo dos anos. Bom findi amiga.

    ResponderExcluir
  10. Oi Rô!
    Que belo post. Rico em detalhes sobre o analfabetismo e como vencê-lo.
    Parabéns
    Abraços

    ResponderExcluir
  11. Nem sei se gostei mais do post ou do seu comentário, Rô! Não fique triste minha querida, pois não há motivos pra isso, viu?
    Que bom, pelo menos assim pude conhecer mais um pouco da vida dessa mulher que já admiro tanto. Você, Rô!

    Beijão

    ResponderExcluir

"Concedei-nos, Senhor, a serenidade necessária
Para aceitar as coisas que não podemos modificar,
Coragem para modificar aquelas que podemos,
E sabedoria para distinguir umas das outras".

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails