quinta-feira, 8 de outubro de 2009

Pense nisso...crie coragem!

imagem do site do ministério da saúde




Eu já sou doadora e você?

Quando li esse texto me encantei e me enchi de coragem e fui me cadastrar para ser uma doadora de órgãos e tecidos. Me fez um grande bem. e toda a minha família já está avisada da minha vontade e decisão.

Faça a sua parte você também.


Saiba mais sobre doação de órgãos lendo mais aqui




Filho, árvore, livro… Amor.


Apóie a Doação de Órgãos e Tecidos


Joseph Campbell, em um trecho de “O Poder do Mito”, afirma: “A vida é dor; e o amor, por ser a mais intensa manifestação da vida, é responsável por nossas maiores alegrias e tristezas”. Não posso tirar essa definição da cabeça quando penso nas famílias que, ao sabem que um parente querido já não está mais neste mundo, consentem que seus órgãos sejam destinados a outras pessoas que necessitam deles.

Haverá um dia em que não estarei mais neste mundo. Não terei a oportunidade de ver as cores se digladiando no céu de um pôr-de-sol. De sentir o frescor de uma brisa no rosto, de ganhar horas conversando com amigos sobre a Vida, o Universo e Tudo Mais, de ter o coração aquecido com a visão de um sorriso de mulher. Ao menos não neste corpo físico. Pensando sobre essas questões, uma pergunta me veio à cabeça: qual é o legado que deixaremos a este mundo? Há quem não dê a mínima, há que ache que sua permanência neste mundo será naturalmente continuada por seus filhos, há quem sonhe em perpetuar seu nome em uma praça, uma rua, um parque. Carlos Drummond de Andrade, em um soneto sobre essa questão, escreveu em um arroubo de humildade: “De tudo quanto foi meu passo caprichoso na vida, restará, pois o resto se esfuma, uma pedra que havia em meio do caminho.”

É inevitável recordar o chavão de que uma pessoa totalmente realizada é aquela que teve um filho, plantou uma árvore e escreveu um livro. Notem: são três atos que simbolicamente transcenderiam as limitações da minha existência física. Um filho asseguraria a transmissão de meus genes. Com uma árvore, perpetuo a vida em si mesma. E o livro garantiria a permanência de meus pensamentos. Mas tudo isso na teoria, é claro. Nada garante que meu rebento não poderia se tornar um misantropo egoísta e apolítico, que a tal árvore não tombaria no cocoruto de um desavisado ou que meu futuro romance não desembocaria num balcão empoeirado de encalhes. Recordo a excelente paráfrase de Stanislaw Ponte Preta sobre o assunto: “Tinha um filho, plantou uma árvore, o filho trepou na árvore, caiu e morreu. Só lhe restou escrever um livro sobre isso”.

Porém, à equação filho/árvore/livro acrescento um novo elemento, tão significativo quanto os anteriores: a doação de órgãos. É um gesto simples, mas capaz de salvar a vida de outras pessoas: basta avisar os seus pais, irmãos, esposa ou companheiro que você deseja que seus órgãos sejam destinados para doação. Uma atitude de amor, talvez a maior transcendência que podemos almejar neste mundo doido e por vezes sem sentido. E um ato heróico, no sentido cunhado por Campbell no livro que citei no primeiro parágrafo deste post, por ser capaz de salvar outras vidas.

Tenho poucas certezas nesta vida, mas uma delas é esta: amor é presença perene no coração. Porque há ocasiões em que dói, como se o coração fosse comprimido pela mão da ausência. Porém, penso que o amor será, sempre, um acalanto; a certeza de que existe alguma coisa além da fugacidade deste mundo, que seja capaz de perpassar o pó do qual viemos e ao qual voltaremos. O amor é chama que se retroalimenta. Pois as pessoas que amamos permanecem em nossas lembranças. E, a cada instante em que evocamos um certo sorriso, um gesto de carinho ou o gosto ensolarado de uma tarde compartilhada de felicidade, elas tornam-se mais vivas ainda dentro de nós.

Amar é estender a mão aos que precisam. E falar de amor, para mim, é recordar a lição irretocável dos Beatles: “And in the end/ The love you take/ Is equal to the love you make”. Lembrando que, para cada fim, há também um recomeço.


Fonte aqui



Linda e maravilhosa tarde pra ti!

Rosane!



3 comentários:

  1. Maravilha. Clicando daqui, clicando dali, cheguei até você.
    Gostei do seu cantinho.
    Certamente voltarei mais vezes.
    Convido a conhecer FOI DESSE JEITO QUE EU OUVI DIZER... em http://www.silnunesprof.blogspot.com
    Saudações Florestais !

    ResponderExcluir
  2. Fui lá e me cadastrei... Sou doadora de sangue desde os 18 anos e faço isso regularmente, proncipalmente pq meu snague O- é sempre muito requisitado...
    Já disse várias vezes para meus filhos que eu sou doadora de órgãos, para que eles nunca se esqueçam o quanto a gente pode fazer por tantas pessoas mesmo não estando mais aqui...
    Excelente toque pra galera!
    beijo
    Pat

    ResponderExcluir
  3. A CORAGEM E A ESPERANÇA CAMINHAM LADO A LADO.
    AMIGA!
    venho retribuir o seu carinho deixado em meu blog.
    Como é bom ter vc. tão pertinho de mim.
    Agradeço amiga, pelos eternos carinhos. As vezes agente não aceita os erros dos outros. Mas eles estão ai, para que ajudamos a compreende-los, que somos, e que são(eles)tembém seres Humanos, passíveis de erros. É muito triste saber que vc. fez uma cirurgia para retirar os parafusos que estão em seu pé e depois descobre, que um deles está lá, quebrado e precisa ser retirado.Mas, temos que aceitar e confiar agora.
    Com muito carinho, agradeço a esta linda e colorosa amizade, que encontro junto de ti.
    Como é bom ter vc. como minha amiga seincera e verdadeira.
    Sempre com otimismo e boas energias.
    Assim, não tem quem não fica sem a ESPERANÇA, do nosso lado.
    Agradeço a vc. minha grande amiga companheira.
    Um abraço muito forte.
    Sandra

    ResponderExcluir

"Concedei-nos, Senhor, a serenidade necessária
Para aceitar as coisas que não podemos modificar,
Coragem para modificar aquelas que podemos,
E sabedoria para distinguir umas das outras".

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails