quarta-feira, 3 de dezembro de 2008

Espirito Natalino Jack Canfield


SÉRIE CONTOS DE NATAL
1º - Espirito Natalino - Jack Canfield

É apenas um pequeno envelope branco pendurado entre os galhos da nossa árvore de Natal. Não tem nome, não tem identificação, não tem dizeres. Se esconde entre os galhos da nossa árvore há cerca de dez anos.
Tudo começou porque meu marido Mike odiava o Natal. Claro que não era o verdadeiro sentido do Natal, mas seus aspectos comerciais: gastos excessivos, a corrida frenética na ultima hora para comprar uma gravata para o tio Harry e o talco da vovó, os presentes dados com uma ansiedade desesperada porque não tínhamos conseguido pensar em nada melhor.

Sabendo como ele se sentia, um certo ano decidi deixar de lado as tradicionais camisetas, casacos, gravatas e coisas no gênero. Procurei algo especial só para o Mike. A inspiração veio de uma forma um tanto incomum.

Nosso filho Kevin, que tinha 12 anos na época, fazia parte da equipe de luta livre da sua escola.Pouco antes do Natal, houve um campeonato especial contra uma equipe patrocinada por uma igreja da parte mais pobre da cidade.

A equipe era formada, em sua maioria, por negros. Esses jovens, que usavam tênis tão velhos que tínhamos a sensação de que os cadarços eram a única coisa que os segurava, contrastavam de forma gritante com nossos filhos, vestidos com impecáveis uniformes azuis e dourados e tênis especiais novinhos em folha.

Quando o jogo começou, fiquei preocupada ao notar que a outra equipe estava lutando sem o capacete de segurança que tinha como intuito proteger os ouvidos dos lutadores. Era um luxo ao qual a equipe dos pé-sujos não podia se dar.No fim das contas, a equipe da escola do meu filho acabou arrasando com eles. Ganharam em todas as categorias de peso. E cada um dos meninos da outra equipe que levantava do tatame se virava com fúria, fazendo pose de valente, procurando mostrar um orgulho de quem não ligava para a derrota.

Mike, que estava sentado ao meu lado, balançou a cabeça, triste:

"Queria que pelo menos um deles tivesse ganhado", disse. "Eles têm muito potencial, mas uma derrota dessas pode acabar com o ânimo deles."

Mike adorava crianças - todas as crianças - e as conhecia bem, pois tinha sido técnico de times mirins de futebol, basquete e vôlei. Foi aí que tive uma idéia para o presente dele. Naquela tarde, fui a uma loja de artigos esportivos e comprei capacetes de proteção e tênis especiais que enviei, sem me identificar, à igreja que patrocinava a equipe adversária.

Na véspera de Natal, coloquei o envelope na árvore com um bilhete dentro, contando ao Mike o que tinha feito e que esse era o meu presente para ele. O mais belo sorriso iluminou o seu rosto naquele Natal. Isso se deu em todos os anos consecutivos.

A cada Natal, eu seguia a tradição: uma vez comprei ingressos para um jogo de futebol para um grupo de jovens com problemas mentais, outra vez enviei um cheque para dois irmãos que tinham perdido a casa num incêndio na semana antes do Natal e assim por diante. O envelope passou a ser o ponto alto do nosso Natal. Era sempre o último presente a ser aberto na manhã de Natal. Nossos filhos, deixando de lado seus novos brinquedos, ficavam esperando ansiosamente o pai pegar o envelope da árvore e revelar o que havia dentro.

As crianças foram crescendo e os brinquedos foram sendo substituídos por presentes mais práticos, mas o envelope nunca perdeu seu encanto. Esse conto não acaba aqui. Perdemos nosso Mike ano passado por causa de um câncer. Quando chegou a época do Natal, eu ainda estava sofrendo tanto que mal consegui montar a árvore. Mas, na véspera de Natal, me vi colocando um envelope na árvore. Na manha seguinte, havia mais três envelopes junto a ele. Cada um de nossos filhos, sem o outro saber, tinha colocado um envelope na árvore para o pai.

A tradição cresceu e, um dia, se expandirá ainda mais e nossos netos se reunirão em volta da árvore, ansiosos para saber o que há no envelope retirado da árvore por seus pais. O espírito de Mike, assim como o espírito do Natal, estará sempre conosco.

Vamos todos lembrar de Jesus, que é o motivo dessa comemoração e o verdadeiro espirito do Natal este ano e sempre. Deus o abençoe.

(Do livro Histórias para Aquecer o Coração, de Jack Canfield)
fonte aqui
Bom dia a todos(as) que todos nós entremos nesse mesmo espirito natalino!
Rosane!

8 comentários:

  1. Olá vovó Rô!!!
    Bom Dia!
    Quero agradecer-lhe pela visita ao meu cantinho.
    Amei a mensagem..muito linda.
    Que o Menino jesus a faça muito feliz junto a todos os seus familiares.
    Um abraço terno e amigo.
    Será sempre bem vinda viu?
    Llyz!
    viveramarsonhar.loveblog.com.br

    ResponderExcluir
  2. Adoro esses contos de Natal!!!
    Emocionante, mãezinha!!!

    Falando em Natal, vou procurar uma música de Natal pra colocar aqui, tá?

    Beijão!

    ResponderExcluir
  3. Eu gostava do natal quando eu era criança! Hoje eu acho triste... minha família não se reúne mais e quando reúne é pra um falar mal do outro... é muita hipocrisia se reunir só no natal aliás. é uma pena que o espírito natalino foi perdido e hoje muitas pessoas só veêm o ntala como um dia de gula e presentes!

    ResponderExcluir
  4. Aqueceu mesmo meu coração hoje. E você nem sabe o quanto eu tô precisando disso.
    Obrigada!
    bjs

    ResponderExcluir
  5. adorooo esse livro!
    os contos dele são uns mais bonitos que outros,,cada um com uma mensagem especial!!

    Bjinhos

    ResponderExcluir
  6. Lindo conto, reflectindo o verdadeiro espírito natalício!!!

    Oi Rô, vc já sabe dessa blogagem para dia 10 de Dezembro?

    Já tenho o selo no meu blog, mas vc poderá confirmar se deseja participar no link abaixo.

    Blogagem Coletiva Direitos Humanos 2008 II (Aval das Nações Unidas)

    Maiores informacoes aqui:

    http://fenixadeternum.blogspot.com/2008/11/direitos-humanos.html

    Um abraço

    Joana

    ResponderExcluir
  7. Ain, vó que história mais emocionante...

    Sabe, eu nõ gosto muito de Natal, mas esses contos são lindooos!!

    Beijooos, Amo a senhora!!!!

    ResponderExcluir
  8. Pelo amor de Deus, que história maravilhosa!!!
    Não sei se ando muito EMOtiva, mas cheguei a chorar. Não de tristeza é claro. Foi uma emoção diferente, sei lá. Vai entender credo. kkkkkkkkkkkkk
    Beijos pra vc minha amada. Torce por mim, domingo tem vestibular. Estou com o coração na mão. Não me sinto preparada mas vou fazer mesmo assim. Seja o que Deus quiser.
    Beijos mil e boa quinta-feira.

    ResponderExcluir

"Concedei-nos, Senhor, a serenidade necessária
Para aceitar as coisas que não podemos modificar,
Coragem para modificar aquelas que podemos,
E sabedoria para distinguir umas das outras".

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails