sábado, 2 de agosto de 2008

Caminhada...




Mas olha só o que essa minha Hevy fez! Onde já se viu contar tal acontecimento, que me deixou tão constrangida e cheia de vergonha.

Pois é, o pior é que o fato aconteceu mesmo. E disso eu tirei uma grande lição. Quando damos entrada em um hospital não somos mais donos de nossos corpos. Ou seja nossos pudores, orgulho, nossas vontades...tudo fica por conta da reação do nosso organismo. Quando estamos anestesiados o nosso cérebro não comanda mais nada. Senti na pele como deve ser terrível uma pessoa que perde o comando de seus membros e de suas vontades fisiológicas. Já por diversas vezes fui anestesiada, mas nunca passei tanta vergonha. Mas tudo bem, essa coisas acontecem e que não nos diminui em nada, muito pelo contrário tirei uma grande lição dessa experiência tão constrangedora. E daqui para frente darei mais valor, principalmente pelos profissionais de enfermagem que tão dedicados foram para comigo, principalmente um rapaz chamado Rafael que tanto me consolou, porque eu, não me conformava com o acontecido. Darei também muito mais valor as pessoas que estão tão debilitadas em sua saúde. Esse é o nosso grande tesouro a saúde, a vida...o resto vem por acrescimo.

Mas tirando o fato ocorrido, estou bem, com dor, mas nada que um comprimidinho não cure, é só ter paciência, repousar, fazer fízio(que começo na segunda), e tocar a vida em frente. Em tudo eu tiro uma lição, que o Senhor me envia e sigo em frente na minha....


CAMINHADA


Aquele homem olhava para o chão.

Como tantos homens iguais, aquele também olhava para o chão e nem mais percebia como era o caminho,só sabia que em breve aquela estrada terminaria num penhasco e tudo,finalmente, teria fim...

Ouvia o ruído do cascalho nos seus pés descalços,sentia o vento a soprar seus cabelos,via o chão vermelho e árido,e tudo convidava a retornar e tentar mais uma vez.

No entanto a voz das suas decepções insistia em falar mais alto,o sentido de não significar nada para si mesmo o dominava,e a visão de um final rápido o estimulava...

Estava se aproximando do ponto onde o caminho se tornava precipício,e ali parou para pensar em coisas que havia escutado em sua vida.

Lembrou de quando lhe disseram que viver era aprender,lembrou de quando lhe falaram que viver era ensinar,lembrou de quando lhe ensinaram a tentar de novo...

Mas tudo isso parecia tão distante...quedou perante o abismo afinal.

A um passo estava a possível liberdade, tudo seria tão rápido...Como mantinha os olhos voltados para baixo, percebeu seus pés sujos,e o chão árido...Sua alma também estava árida e suja.

Gritou e blasfemou, e sua voz chegou às montanhas e retornaram.

Era engraçado – o eco parecia ainda mais alto que o brado inicial...e as blasfêmias e gritos continuaram retumbando por algum tempo.Gritou ainda mais – era como uma despedida sonora antes do salto planejado e desejado há tanto tempo...

E foi neste instante, enquanto as nuvens se abriam mostrando um sol dourado de fim de tarde,que uma brisa soprou um pouco mais forte e ele pode ouvir uma voz,que não era a sua.

Não era o eco de seus impropérios,nem o sibilar do vento...

Era alguém que se aproximava e o chamava de irmão...sentiu a mão quente de alguém a lhe tocar o ombro e teve coragem para erguer os olhos pela primeira vez depois de tanto tempo...

Um homem, cujo olhar reunia o mistério dos seres encantados,cuja boca tinha o mel dos sorrisos infantis,e cujo tom de voz reproduzia a confiança dos sábios,estava parado ali ao seu lado.Parecia não temer o abismo e não mostrava nenhuma força ou interesse,capaz de impedi-lo de fazer o que pretendia...

Teve coragem então para dizer: estou no fim da linha, já basta o que passei.e esperou alguns instantes antes de ouvir uma voz que parecia rever berar dentro de sua própria mente.

E foi assim que o estranho falou:

-Sei como se sente. a mais dura das experiências é a de caminhar sozinho e com só uma alternativa.Mas, olhe para as montanhas ao longe, veja como são silenciosas... solitárias também...

Mas bastou que lançasse seus gritos para que gritassem também.

Olhe para elas... o que será que gritariam se fosse outro o seu brado?

Experimente gritar amor...

O homem hesitou, ante a proposta do estranho.Será que conseguiria gritar palavra tão sublime?

Ainda que a dúvida fosse amarra poderosa, ele gritou.

A princípio com a voz baixa dos inseguros.Gritou amor mais uma vez já com um pouco mais de força, força que ia surgindo do próprio esforço em gritar.Gritou amor mais uma vez e a plenos pulmões e pode se sentir abraçado pelo eco de amor que retornava...

O estranho então disse:

-Você tem a energia dos gigantes, fez as montanhas falarem!O que acontecerá quando gritar a palavra paz?

E dessa vez foi mais fácil.

Já possuía a força do amor,e gritou: paz!

E as montanhas berraram também em seguida.Com os recursos do amor e da paz, não foi difícil atender ao convite seguinte, quando o estranho lhe pediu que gritasse esperança.

E assim ele fez.

E a tarde ouviu o eco abençoado se espalhando por toda parte...

Ele já olhava para o alto, respirava mais profundamente,sentia o amor, a paz e a esperança penetrando-lhe a alma...O abismo a seus pés já não interessava tanto quanto o céu abençado por alvas nuvens e pássaros ligeiros...

O estranho sorria, e seu sorriso era pura compreensão...

O homem perguntou: e o que faço com meus erros?

O estranho respondeu: abrace-os...Perguntou de novo: e o que faço com meus medos?

E a resposta foi: abrace-os...E mais uma vez inquiriu: e minhas dúvidas, infelicidades, fracassos e desacertos?

A resposta foi: abrace-os.

Abrace tudo o que de alguma forma teve importância para o seu crescimento. e se o aprendizado foi bem realizado, nada disso precisará permanecer.O caminho agora é feliz.

O sofrimento é mensageiro desagradável que traz encomenda importante.

Receba a encomenda e diga adeus ao mensageiro.E diga adeus com cortesia e gartidão...O homem respirou fundo mais uma vez e perguntou:

E onde foi que você aprendeu tantas coisas?

O estranho, com a calma dos que sabem esperar simplesmente disse:

-Aprendi tudo isso quando o amor desceu à terra...Agora era o momento de retornar.

O homem deu meia volta e viu o que antes lhe era invisível.

Viu que do cascalho árido do chão saiam arbustos cheios de flor e árvores carregadas de frutos.Olhou para o estranho e disse:

- O que farei quando quiser mais uma vez me lançar no abismo?

- Como encontrarei você de novo para me salvar?
O estranho apenas lhe sorriu e, magicamente, transformou-se em luz,que foi entrando em seu peito bem devagar...

(Kau Mascarenhas)
Presente Maria Chelli


Apoderem-se dessa luz assim como eu me apoderei também .

E lembrem-se, todos nascemos para brilhar aos olhos de Deus que nos fez sua imagem e semelhança...

Obrigada meu Senhor e meu Deus pela luz que me concedes a cada segundo de minha vida!

Tenham um final de semana repleto de luz entrando bem devagar em seus corações!

Obrigada a todos que por aqui passaram em especial minha filha Du, meu irmão Juca e meu grande amigo João Batista e todos que por email me enviaram mensagens em especial também a minha filha Adriana que está a fazer uma linda oração de cura junto com seu esposo maravilhoso Romero., Deixo também um beijo com muita saudades à minha lindinha Carol.





12 comentários:

  1. Rô,

    Que post lindo!

    Tenho certeza que em tudo a gente pode aprender uma lição, e com o relato da sua experiência vc ajudou a todos a ver mais essa! Obrigada!

    Mil beijos! Que Deus te ilumine sempre!!

    ResponderExcluir
  2. Uma bela lição de vida mesmo, Rô! Fiquei emocionado e feliz por tê-la como amiga e irmã! Recupere-se bem! É o que desejo de coração! :-)

    Bom final de semana! Muitos abraços e beijos carinhosos!

    PS: E não se preocupe com o episódio que a Hevy relatou, pois todos nós estamos sujeitos a isso. De minha parte, só me fez admirá-la ainda mais pela sua determinação e coragem! :-)

    ResponderExcluir
  3. Rô, se eu já te admirava, te admiro ainda mais depois de tudo isso, pode ter certeza!
    Te amo muito e estou feliz que esteja bem, graças a Deus!

    Beijão

    ResponderExcluir
  4. Rô!
    Não vou perguntar se vc esta bem, EU SEI QUE VOCE ESTA BEM!
    Sinto não poder estar com você antes, mas você esta sempre em meus pensamentos, e Deus toma conta de você pra mim. Mas que nunca estou feliz por você esta se tratando e vai ficar melhor quando o pós operatório passar, poderemos até marcar uma corridinha de tartaruga.
    Beijo querida!
    Deus continue no seu coração.

    ResponderExcluir
  5. Vovó - mãezinha, deixei dois presentinhos pra vc hoje! Espero que te deixe mais feliz!

    Beijão

    ResponderExcluir
  6. Já tá 0km de novo???

    (ps: eu tb fiz xixi na cama do hospital quando operei os joelhos! Eu pedi uma fralda, mas acharam que não era necessário... :P)

    O pior da anestasia, pra mim, é a febre que dá quando a gente acorda! E não sentir as pernas, no meu caso, também foi punk.

    Mas, nem quero te enganar, o pior vem agora: FISIOTERAPIA! E pra essa eu te desejo muita paciência... ô troço chato!

    Bom domingo pra ti!
    beijos!

    ResponderExcluir
  7. Que bom que tudo está bem. Que você se recupere logo. Bom domingo!!!

    ResponderExcluir
  8. Ô, voinha! Graças a Deus está tudo bem com a senhora! Que Ele continue cuidando de tudo e eu lhe desejo muita força e paciência pra fisioterapia, porque "ô troço chato" [2]!

    A única anestesia séria que tomei foi a geral - e eu confesso que curti a "leseira" na hora de acordar! Nem imagino como deve ser angustiante não sentir o próprio corpo... mas o pior já passou!

    Um cheiro bem grande da sua nova netinha!

    ResponderExcluir
  9. Linda nao se constranja com essa coisa do xixi, é super normal!
    Espero sinceramente que você esteja bem, e que nao deixe de vim postar, pois a gente estasempre por aqui!
    Tenha uma boa semana,
    Liz

    ResponderExcluir
  10. Oi Rô!
    Que peninha!
    Fazer xixi na cama do hospital é um constrangedor mesmo, mas acontece...
    Beijo e ótimo final de domingo.

    ResponderExcluir
  11. Oi Rô
    Vê como tudo correu bem? Deus dá sempre uma ajuda, quando confiamos.

    Obrigada pela sua lição de vida, pois ela será útil para todos os que a visitam neste blog.

    E tenha uma recuperação rápida.

    Um abraço da amiga de Portugal
    Joana

    ResponderExcluir
  12. Voinha, quando voltar eu quero conhecer seus gostos musicais!

    ResponderExcluir

"Concedei-nos, Senhor, a serenidade necessária
Para aceitar as coisas que não podemos modificar,
Coragem para modificar aquelas que podemos,
E sabedoria para distinguir umas das outras".

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails