segunda-feira, 19 de maio de 2008

Aquecimento Global...


Aquecimento global::
- Apocalipse já ou esperança na vida? -
Por::- Maria Clara Lucchetti Bingemer


Não há dúvida que é o assunto do momento. Estamos todos assustados com o O estado em que se encontra a Mãe Terra, Gaia, Pacha-Mama à qual tanto maltratamos e que de repente descobrimos que é essencial à nossa sobrevivência enquanto espécie. O aquecimento global ameaça encurtar o prazo de existência do nosso planeta e isto é tema de alertas vários, considerações inúmeras e , como não podia deixar de ser, alguns exercícios de imaginação febris e excitados.

O aquecimento global é um fenômeno climático de larga extensão -- um aumento da temperatura média da superficie da Terra que vem acontecendo nos últimos 150 anos. Entretanto, o significado deste aumento de temperatura ainda é objeto de muitos debates entre os cientistas. Causas naturais ou antropogênicas (provocadas pelo homem) têm sido propostas para explicar o fenômeno.

Parece ser que a maioria do aquecimento observado durante os últimos 50 anos se deve muito provavelmente a um aumento do efeito-estufa , havendo fortes evidências de que boa parte do aquecimento seja devido a atividades humanas , como aumento de gases de estufa, alterações climáticas devidas a um maior uso de águas subterrâneas e de solo para a agricultura industrial e a um maior consumo energético e poluição. Ou seja, parece que a ação humana realmente está influenciando na ocorrência do fenômeno.

Importantes mudanças ambientais têm sido observadas e foram ligadas ao aquecimento global. A diminuição da cobertura de gelo do planeta, o aumento do nível do mar, as mudanças dos padrões climáticos são exemplos das consequências do aquecimento global que podem influenciar não somente as atividades humanas mas também os ecossistemas. O aumento da temperatura global permite que um ecosistema mude; algumas espécies podem ser forçadas a sair dos seus habitats correndo grave risco de extinção devido a mudanças nas condições enquanto outras podem espalhar-se, invadindo outros ecossistemas.

Ou seja, o caos pode transtornar o cosmos. Na realidade já o está fazendo e o ser humano que foi em boa parte o causador deste caos agora se apavora diante das consequências que ele mesmo sofrerá devido a isso. Mais: que já está sofrendo. O Ártico e a Groenlandia se derretem; os furacões e ciclones se fazem sentir cada vez mais fortes, deixando como rastro cada vez mais vítimas; o nível do mar sobre aumentando os riscos de maremotos tão horríveis como a “tsunami” que sacudiu a Asia há dois anos atrás; os desertos avançam e o total de áreas atingidas por secas dobrou em trinta anos sendo um quarto da superfície do planeta inteiramente deserto.

Com tudo isso, é a vida que vai sendo lentamente engolida pela morte, com a colaboração da espécie humana que se volta contra si mesma. A Organização das Nações Unidas estima que 150.000 pessoas morrem anualmente por causa de secas, inundações e outros fatores relacionados diretamente ao aquecimento global. Estima-se que em 2030, este número dobrará.

Há várias leituras possíveis deste assustador fenomeno. A teologia é uma delas. O livro do Apocalipse, último da seleção bíblica canônica feita pela Igreja Católica nos fala de fenomenos parecidos ao que hoje presenciamos. O livro, em rica linguagem simbólica, adverte para os perigos que aqueles que não crêem em Deus e agem inspirados pelo amor trazem para toda a humanidade.

O mundo do último livro da Bíblia é todo ele perpassado pela ameaça dos famosos cavaleiros do Apocalipse ( fome, pestes, guerra, morte). Certamente o aquecimento global poderia estar subentendido dentro das catástrofes que povoam o Apocalipse e que são sinal do Anti Cristo e que anunciam o fim como eminente. No entanto, a última mensagem do Apocalipse não é de terror, mas de esperança. O Cristo Ressuscitado toma a palavra diante do cenário caótico que o pecado humano produziu e exorciza o temor de suas apavoradas criaturas atestando ser o Alfa e o Omega, o Princípio e o Fim. Ele, que é a raiz e o descendente de Davi, a estrela radiosa da manhã, atesta que vem depressa.

Sempre é tempo, portanto, de tomar medidas de cuidado, de amor e defesa da vida. De nada adianta uma posição negativista e derrotista. Digamos, ao contrário, como o autor bíblico, no final de seu livro: “Amém, vem Senhor Jesus!” Se Jesus Cristo é o paradigma da história e nele Deus Pai disse um não definitivo à morte como última palavra sobre a vida, é permitido esperar que também para nosso pobre planeta haja ressurreição no horizonte.

* Maria Clara Lucchetti Bingemer, teóloga, professora e decana do Centro de Teologia e Ciências Humanas da PUC-Rio. É também autora de "A Argila e o espírito - ensaios sobre ética, mística e poética" (Ed. Garamond), entre outros livros.

3 comentários:

  1. Ah, assunto polêmico este, pis o mundo esta se deteriornado por conta do consumismo e da falta de atençao ao nosso planeta, boa idéia você falar sobre isso!
    Eu realmente so vim pra te deixar um carinho e te dizer que sempre é bom te ter no meu cantinho, volte quando quiser pra trocarmos umas "figurinhas"!
    Liz

    ResponderExcluir
  2. Mamãe, mamãe...
    A salvação do mundo está nas mãos do homem, e de ninguém mais!
    Nós destruimos, mas ainda temos chance de reconstruí-lo... eu acredito e tento fazer a minha parte...
    Beijos mamãe de visú novo... "mudérna" essa menina!
    Te amo!

    ResponderExcluir
  3. RÔ, TOMEI A LIBERDADE DE INCLUI-LA NO LINK DO ESPAÇO MENSALEIRO.

    Por favor, fiquei apaixonada por você. Não me mande retirar.

    Muito obrigada!

    ResponderExcluir

"Concedei-nos, Senhor, a serenidade necessária
Para aceitar as coisas que não podemos modificar,
Coragem para modificar aquelas que podemos,
E sabedoria para distinguir umas das outras".

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails