sexta-feira, 24 de agosto de 2012

A fórmula especial



Mensagem de Reflexão

A fórmula especial


Você costuma dizer a seu filho que o ama? Ou você é daqueles pais que têm dificuldade com a frase: "amo você?"

Esta é a história de um homem. Em verdade, de um pai e um filho.

O homem era apaixonado por caixas. Grandes, pequenas, médias. Caixas altas, baixas. Caixas redondas. Quadradas, retangulares.

O filho amava intensamente o pai. E o pai amava intensamente o filho.

Mas ele não conseguia dizer ao filho que o amava.

Por isso, pensou em uma maneira especial de se comunicar com ele, falando dos seus sentimentos. Começou a construir coisas para seu filho.

Com várias caixas de tamanhos diferentes, ele fez um castelo. E que castelo!

Também construiu um avião. Lindo, imitando um 14 Bis, aquele mesmo com o qual Santos Dumont voou ao redor da torre Eiffel, em paris. E voava muito bem.

Só a chuva impedia os vôos maravilhosos dos aviões de papelão. Esse era um problema que algum dia aquele pai iria resolver.

Quando os amigos do filho apareciam, caixas de todos os tamanhos também apareciam, para o deslumbramento da garotada.

Logo, as caixas se transformavam em casas, torres, castelos, cidades. Também chapéus, armários e pontes.

E o pai continuava a recolher caixas, onde quer que fosse: no supermercado, na loja de eletrodomésticos, no shopping.

A maioria das pessoas achava que o homem era muito estranho. Principalmente, quando ele descia o morro com o filho, dentro de um carrinho feito com a caixa que veio com a geladeira nova.

Os velhos apontavam para ele. As velhas o olhavam zangadas.

Os vizinhos, quando o viam no quintal, às voltas com caixas e mais caixas, riam dele.

Nem se davam conta que uma caixa se transformara em casa de passarinhos, na grande árvore em frente ao portão. E que outra, zelosamente guardava o alpiste para alimentar a passarada.

O homem, no entanto, não se preocupava com os comentários e os risos de ninguém.

Porque empinando papagaio, montando castelos, inventando mil coisas com as caixas, ele descobrira uma fórmula especial de compartilhar horas de lazer com o filho.

E mais do que tudo, carregando o filho nos ombros morro abaixo e morro acima, na manhã de sol ou no cair da tarde, ele aprendera uma maneira particular de compartilhar o amor de um pelo outro.

***

Extravasemos nossos sentimentos, demonstrando aos nossos filhos que os amamos.

Permitamos que percebam o quanto eles significam para os nossos corações.

Se nossos braços estiverem começando a apresentar sinais de ferrugem, lubrifiquemo-los com o óleo de muitos abraços.

E se nossa voz anda um tanto preguiçosa para as palavras "amo você", façamos como o pai da história e criemos situações que nos permitam estar com nossos filhos, para as sadias brincadeiras da infância.

Afinal, tudo é uma questão de vontade, esforço e aprendizado.




Essa reflexão foi tirada do livro





"Este livro fala de maneira simples e bonita sobre o relacionamento entre pai e filho. Com ilustrações alegres e muita sensibilidade, O Homem que Amava Caixas conta a história de um homem que era apaixonado por caixas e por seu filho. O único problema é que, como muitos pais, ele não sabia como dizer ao filho que o amava."
Fonte do comentário do Livro e mais informações clique aqui



Beijos meus cheios de luz, paz, amor, fé e 

esperança !



 





2 comentários:

  1. Oi!

    Amanhã é o último dia para concorrer a um kit de brinquedos no meu blog:
    http://coisasdamaura.blogspot.com.br/2012/07/concurso-cultural-volta-as-aulas-com.html
    Te espero lá!

    Um abç,
    Maura

    ResponderExcluir
  2. Amei a história do pai das caixas.
    Fiquei imaginando o amor do filho...
    Valeu!

    ResponderExcluir

"Concedei-nos, Senhor, a serenidade necessária
Para aceitar as coisas que não podemos modificar,
Coragem para modificar aquelas que podemos,
E sabedoria para distinguir umas das outras".

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails