terça-feira, 1 de junho de 2010

"COISAS DO CORAÇÃO" - POR MÁRCIA ATIK -




Coisas do coração
 As melhores maneiras de lidar com o ciúme!
Por Mácia Atik


Falar do ciúme como sentimento é fácil. Assim como todos os sentimentos são normais, o ciúme também o é. Também já sabemos que devemos dar vazão a todos os sentimentos para que possamos elaborá-los. Contudo, nesse panorama existem alguns pontos que precisam ser notados num sentimento: sua origem, intensidade, a forma como reagimos a ele e a importância que isto tem no nosso cotidiano.
Segundo o escritor e pensador, Roland Barthes (1915-1980), o ciumento sofre quatro vezes, pois esse sentimento o exclui, o torna agressivo, o deixa louco e, por ser um sentimento banal, comum, pode-se ainda observar sua complexidade.
Isso acontece quando numa rápida consulta ao dicionário percebemos todas as suas nuances: dor, respeito, inveja, medo da perda, fraqueza, zelo e rivalidade. Por tudo isso ele nos torna refém de sua interpretação em nossa vida na busca da felicidade e realização amorosa.
Muitas pessoas não imaginam o amor sem ciúme, fazendo às vezes crer no lugar comum que amor e ciúme se completam (ou será que se destroem?). 


As primeiras manifestações de ciúme podem ocorrer já na primeira infância quando chega o irmãozinho e o afeto e a atenção serão divididos. Podemos também falar do ciúme ligado à posse que também faz parte do desenvolvimento psicossexual. Pois desenvolver o sentido do `isso é meu!´ traduz a necessidade de limites e espaços.
Poderia também descrever o desenvolvimento psicossexual nas fases de ciúmes que são importantes, desde que não empaquem a desenvoltura pessoal e sejam incorporados na personalidade como um ganho.
A própria arte, por meio da música, poesia e mitologia se aproximam muito desse tema, seja mostrando sua presença em nossas vidas ou seus mistérios.
Após Freud, podemos classificar o ciúme em duas categorias: o ciúme normal, esse que acabo de descrever, e o neurótico ou paranóico, delírio puro.
Mas de concreto e prático devemos nos atentar ao sofrimento não só do ciumento, mas também da pessoa amada, pois esse sofrimento é a medida que anuncia a normalidade ou não desse sentimento.
Num relacionamento tanto afetivo quanto de amizade  devemos dar espaço a crises de todos os tipos, inclusive de ciúme. Mas ela deve estar circunscrita a fatos reais, pois a fragilização que uma crise permite a visita de fantasmas passados que se misturam aos traumas e aos fatos provocando uma mistura explosiva. É muito importante que cada um de nós saiba como lidar em nossa própria história com esse sentimento.


 Para variar, quando se fala de emoções, não há fórmula mágica, porém atenção e compreensão a alguns detalhes ajudam bastante.
Em primeiro lugar cuidar-se, admitindo o ciúme como um conteúdo seu e não do outro, entendendo o que desencadeia o sentimento e qual foi a situação real que o provocou.
Falar abertamente de uma dor tem efeito analgésico e auxilia na diminuição do sofrimento, trazendo paz suficiente para que se elabore melhor as dificuldades e medos.
De qualquer forma, o ciúme é sempre um sinal de alerta barulhento e atordoante.
Não admiti-lo é perder a chance de refletir e recuperar o que realmente nos é caro ou o outro que pode ser vítima de nosso desassossego e, principalmente, recuperar parte de nós mesmos que estão se perdendo dando um valor maior a tudo e a todos, maior do que damos a nós mesmos.
Apesar de tanta exposição ainda ficamos perplexos com tantas possibilidades que a vida afetiva nos dá de dor e prazer.
Mas antes devemos perceber que esse é o grande estímulo da vida, ou seja, seu movimento em busca do paraíso perdido. Oxalá não encontremos para que nunca desistamos de buscá-lo.


*Márcia Atik é psicóloga, terapeuta sexual e membro do Centro de Estudos e Pesquisas em Comportamento e Sexualidade (CEPCOS).

Para conversar com a especialista enviar sua dúvida, escreva para editora@maisde50.com.br




 

Se eu fosse pensar em ciúme, com certeza não estaria mais casada.
Meu marido é uma pessoa muito cativante e carismática. 
É claro que lá no mais profundo do meu intimo eu tenho um pouquinho de ciúmes. Mas nada que prejudique nosso relacionamente.








Beijos e beijos de bom dia!
Rosane!











2 comentários:

  1. Não gosto de sentir ciúmes, me faz mal. Tento não ser ridícula, porque é comum as pessoas fazerem papelão...bom senso é tudo. E também nunca fui de dar "showzinho"...minha menina mais velha sofre de ciúmes, de mim, do pai, dos irmãos...fico com dó. Beijocas.

    ResponderExcluir
  2. Voinha, confesso! Tenho ciúmes sim, rsrs...

    Mas não é louco, louco, não... rsrs...

    Beijos te amooo

    ResponderExcluir

"Concedei-nos, Senhor, a serenidade necessária
Para aceitar as coisas que não podemos modificar,
Coragem para modificar aquelas que podemos,
E sabedoria para distinguir umas das outras".

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails