sexta-feira, 16 de outubro de 2009

Quem quer faz a diferença

Hoje comemora-se o dia MUNDIAL DA ALIMENTAÇÃO


Sempre ensinei aos meus filhos o que aprendi e aprendo com a vida. E uma das coisas que aprendi foi sempre fazer a diferença.
Recebi por e-mail de uma maravilhosa amiga a história do menino que nasceu em Malawi que é um País da África Oriental, seu nome William Kamkwamb.
A história é emocionante e me deixa com vergonha de ver tantas pessoas a reclamar da vida e da situação em que vivem. Uma pessoa que não que pode estudar por falta de recursos da família, mas firme e forte foi atrás e conseguiu com suas próprias mãos levar o progresso à sua comunidade.
Uma história brilhantemente contada por Carlos Cardoso.
Nesse dia Mundial da alimentação que foi instituído desde l945 para comemorar a criação da FAO"Organização das Nações Unidas para a Agricultura e a Alimentação", deveríamos tomar como exemplo o menino William Kamkwamb que hoje está com 19 anos e que com sua Fé e capacidade estraordinária de sobrevivência vai longe e com certeza tudo o que faz e fará, será para o bem maior do seu país e dos seus.
Que lição de vida, não deixe de assistir o vídeo, é emocionante.

O garoto que domou o vento

Por Carlos Cardoso

Esta é uma daquelas histórias que rendem filmes de Sessão da Tarde, mas ao contrário do excelente Céu de Outubro, a situação de William Kamkwamba era muito mais dramática.

Ele nasceu e cresceu em Malawi, um daqueles países irrelevantes até mesmo para os padrões africanos. Tem 14 milhões de habitantes, baixa expectativa de vida, alta mortalidade infantil e AIDS. A renda per capita é de US$312,00. Só para comparar a do Brasil é de US$8.295,00.

Sua vila/aldeia não tinha saneamento básico, água corrente e muito menos eletricidade. É comum na África gente percorrer quilômetros a pé para recarregar celulares e rádios, e era o que William fazia.

Em 2002 aos 14 anos seus pais foram obrigados a tirá-lo da escola. Assolados pela fome a família não tinha como mantê-lo estudante. Mas Kamkwamba era um grande guerreiro, não no sentido militar -guerra não faz ninguém grande- mas no intelectual. Mesmo fora da escola ele continuou frequentando uma pequena biblioteca, de um só cômodo, bancada por doações do Governo dos EUA.

Nela ele viu um livro sobre moinhos de vento. Mesmo sem entender muito bem inglês, percebeu que aquilo era algo que ele conseguiria fazer. Percebeu que eletricidade era a chave para melhorar a condição de vida de sua família. Só 2% da população tem acesso ao recurso.

Durante 3 meses ele juntou peças de ferro-velho, bicicletas encontradas no lixo, estudou sobre magnetismo, condutores e dínamos. De posso do conhecimento repassado por Mestre a muito mortos, ele fez algo que deixaria Maxwell orgulhoso: Aplicou a Teoria e construiu um moinho de vento:

Antes do projeto ficar pronto, a turma que acredita que nada pode ser feito da primeira vez caiu de pau em cima do garoto, afinal um moleque de 14 anos, em um país insignificante da África ousar desafiar os Deuses da Mediocridade e construir algo, ao invés de sentar, reclamar e ficar recebendo calado a esmola em forma de doações da ONU?

Isso é uma afronta a todo mundo que escolheu o caminho mais fácil. Por isso Kamkwamba ouvia coisas como:

“Você é doido, acho que está fumando maconha demais”

Indignado o garoto respondia: “Vejam esta foto no livro! Esse moinho não caiu do céu, alguém construiu!”

Mesmo assim o projeto deu certo. O moinho gerava energia para televisão, eletrodomésticos, rádio, iluminação, recarregar celulares e o mais importante, bombear água.

Logo o moinho de Kamkwamba se tornou atração turística/funcional. Pessoas vinham de longe para carregar seus celulares, outros começaram a visitar a biblioteca, os sábios locais perceberam que a história precisava ser divulgada. Logo um jornalista apareceu e Kamkwamba teve seu feito publicado.

Graças aos blogs a notícia se espalhou mais ainda. Logo William Kamkwamba estava ensinando a construir moinhos, viajando pela África contando sua história, que foi parar nos ouvidos de Bryan Mealer, jornalista especializado na África.

Bryan passou mais de um ano juntando material, fazendo entrevistas e visitando os locais, até escrever “O Garoto que Domou o Vento”, contando toda a história.

O livro já está na lista de Best Sellers do New York Times. William Kamkwamba ganhou uma bolsa de estudos e está terminando seu Segundo Grau em Johanesburgo, na África do Sul, no Kings College.

Ele acaba de voltar de uma turnê nos Estados Unidos, apareceu em diversos programas, como o Daily Show. Quer fazer faculdade por lá, e eu aposto meu botão de block no Twitter que não faltarão Universidades oferecendo bolsas integrais.

Afinal de contas mesmo sendo um garoto que não foi alfabetizado em inglês, sem um centavo no bolso e praticamente sem comida em casa, William Kamkwamba tem INTELIGÊNCIA, o que (nem sempre) é algo reconhecido por seus pares.

Isso propiciou um currículo invejável. No mínimo tem que se respeitar alguém que faz uma apresentação no TED em Oxford, Inglaterra.






Ele conseguiu isso sem computadores, sem Internet, sem superstição, sem ódio nem raiva. Poderia ser mais um pregando caos e destruição, com seus AK47s virtuais ou não. Mas esses e seus gritos raivosos estão sempre destinados ao esquecimento.

Lembrado será William Kamkwamba, por mostrar que relevantes são os que CONSTROEM moinhos de vento, não os que os combatem.

E sim, ele tem conta no Twitter.

Texto de Carlos Cardoso obrigada pela divulgação tão bem elaborada!


Pense, reflita e saia para ação!
Bom e maravilhoso fim de semana!
Beijos e beijos!
Rosane!

6 comentários:

  1. Que lindo exemplo esse!Maravilha!beijos e tudo de bom,chica

    ResponderExcluir
  2. Querida gostei muito do teu post, e fiquei com muita vontade de ler este livro, vou procurar aqui. Bom final de semana!!! Bjks

    ResponderExcluir
  3. Bom dia Rô,
    Eu gostei do post, e da indicação do livro.É por aí mesmo, se cada um fizer diferente,quem sabe o amanhã será bem melhor para todos.

    Um grande e saudoso abração do amigão!

    ResponderExcluir
  4. Oi Rô. Adorei a história do William, gente que faz a diferença. Prova que o que a gente quer a gente faz. Um exemplo a ser seguido com certeza. Beijos
    Joana

    ResponderExcluir
  5. Ro este artigo tem que ser repassado para os jovens
    Parabens
    QUEM QUER FAZ A DIFERENÇA COM CERTEZA DE DAR CERTO

    ResponderExcluir
  6. Cruzar os braços e reclamar da vida é para os acomodados. Pessoas como William Kamkwamba, que dão exemplo de força de vontade e positividade (perseverança) - é um em um milhão. Exemplo que deve ser ressaltado, admirado e copiado!! Boa semana! Beijus,

    ResponderExcluir

"Concedei-nos, Senhor, a serenidade necessária
Para aceitar as coisas que não podemos modificar,
Coragem para modificar aquelas que podemos,
E sabedoria para distinguir umas das outras".

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails