sexta-feira, 13 de fevereiro de 2009

A MÁQUINA DO MUNDO



A Máquina do Mundo
Carlos Drummond de Andrade



E como eu palmilhasse vagamenteuma estrada de Minas, pedregosa, e no fecho da tarde um sino rouco

se misturasse ao som de meus sapatos que era pausado e seco; e aves pairassem no céu de chumbo, e suas formas pretas

lentamente se fossem diluindona escuridão maior, vinda dos montese de meu próprio ser desenganado,

a máquina do mundo se entreabriupara quem de a romper já se esquivavae só de o ter pensado se carpia.

Abriu-se majestosa e circunspecta,sem emitir um som que fosse impuronem um clarão maior que o tolerável

pelas pupilas gastas na inspeçãocontínua e dolorosa do deserto,e pela mente exausta de mentar
toda uma realidade que transcendea própria imagem sua debuxadano rosto do mistério, nos abismos.

Abriu-se em calma pura, e convidandoquantos sentidos e intuições restavama quem de os ter usado os já perdera

e nem desejaria recobrá-los,se em vão e para sempre repetimosos mesmos sem roteiro tristes périplos,

convidando-os a todos, em coorte,a se aplicarem sobre o pasto inéditoda natureza mítica das coisas,

assim me disse, embora voz algumaou sopro ou eco ou simples percussãoatestasse que alguém, sobre a montanha,

a outro alguém, noturno e miserável,em colóquio se estava dirigindo:"O que procuraste em ti ou fora de

teu ser restrito e nunca se mostrou,mesmo afetando dar-se ou se rendendo,e a cada instante mais se retraindo,

olha, repara, ausculta: essa riquezasobrante a toda pérola, essa ciênciasublime e formidável, mas hermética,

essa total explicação da vida,esse nexo primeiro e singular,que nem concebes mais, pois tão esquivo

se revelou ante a pesquisa ardenteem que te consumiste... vê, contempla,abre teu peito para agasalhá-lo.”

As mais soberbas pontes e edifícios,o que nas oficinas se elabora,o que pensado foi e logo atinge
distância superior ao pensamento,os recursos da terra dominados,e as paixões e os impulsos e os tormentos

e tudo que define o ser terrestreou se prolonga até nos animaise chega às plantas para se embeber

no sono rancoroso dos minérios,dá volta ao mundo e torna a se engolfar,na estranha ordem geométrica de tudo,

e o absurdo original e seus enigmas,suas verdades altas mais que todosmonumentos erguidos à verdade:

e a memória dos deuses, e o solenesentimento de morte, que floresceno caule da existência mais gloriosa,

tudo se apresentou nesse relancee me chamou para seu reino augusto,afinal submetido à vista humana.

Mas, como eu relutasse em respondera tal apelo assim maravilhoso,pois a fé se abrandara, e mesmo o anseio,

a esperança mais mínima — esse anelode ver desvanecida a treva espessaque entre os raios do sol inda se filtra;

como defuntas crenças convocadaspresto e fremente não se produzissema de novo tingir a neutra face

que vou pelos caminhos demonstrando,e como se outro ser, não mais aquelehabitante de mim há tantos anos,

passasse a comandar minha vontadeque, já de si volúvel, se cerravasemelhante a essas flores reticentes

em si mesmas abertas e fechadas;como se um dom tardio já não foraapetecível, antes despiciendo,

baixei os olhos, incurioso, lasso,desdenhando colher a coisa ofertaque se abria gratuita a meu engenho.

A treva mais estrita já pousarasobre a estrada de Minas, pedregosa,e a máquina do mundo, repelida,

se foi miudamente recompondo,enquanto eu, avaliando o que perdera,seguia vagaroso, de mãos pensas.










Sejam felizes!
Rosane!

10 comentários:

  1. Ai Rô, eu adoro o Drummond!!!
    Que lindo!

    Que você tenha um final de semana iluminado de amor e paz junto aos seus!

    Beijão, mãezinha querida!

    ResponderExcluir
  2. Felicidades pra você também Rô!! Bom fim de semana!! Beijus

    ResponderExcluir
  3. Bom final de semana Rô.
    Li com gosto o poema. Drummond é um dos poetas que mais me inspiram.

    E sempre que eu venho aqui tem alguma coisa nova e boa pra levar.

    Um forte abraço.
    Inté!

    ResponderExcluir
  4. ROSANE
    Bom Final de Semana! com toda a familia reunida!
    Ler aqui DRUMOND, É SENTIR A SUA MINEIRICE de pertinho!
    São as montanhas, as pedras e os engenhos,os teares, somos todos Minas Geraes!
    Abraços, minha querida irmã, e que Deus lhe guarde até nosso proximo encontro.
    Suelly

    ResponderExcluir
  5. Salvé minha querida!
    Até que enfim te visito. Não tenho conseguido fazer nada ou pelo menos aquilo que eu queria no computador...não entrava nos comentários, nem sequer acedia ás minhas imagens ou quando ia buscar alguma da web, não abria a janelinha para registá-la. Quase que dei em louca! um dia tive uma fúria tal que dei uns murros no computador... perdi noites a fio...mas como também andava a descobrir umas coisas....estou quase a descobrir na totalidade como é que escreve nomes ou dedicatórias nas imagens. tu sabes fazer isso?
    O que eu gosto do Carlos D. de Andrade, não tem explicação. Ele é tão profundo e sabe tão bem entrar em nós, que muito poucos o conseguiram.
    Hoje fiz uma directa, porque queria acabar o meu post e só para escolher aquelas imagens quase nem comi. Mas lá o acabei a tempo. Porque ás 6 e 55 da manhã, estava a entrar em oração e meditação, pelo alinhamento que se deu de quase todos os planetas.Pedi por ti e por todos os que normalmente me comentam. Tu que és da minha família Universal, assim como a Knosis. Afinal o que é feito dela? Tenho de lá ir ver, porque ou ficou ela OFF e depois fiquei eu.
    Querida obrigada pelo que me mandaste pelo correio. Como é que fazes para que aquele mail chegue com aquele fundo cheio de hortências? NOs meus mails nunca aparece o fundo, mas as imagens de topo ou laterais...n
    ao percebo porquê...se não souberes..lá tenho de ir perguntar ao Juca...que é um querido!
    Bom meu amor, vou deixar-te. Se passares no meu blog, hás-de ver um coração belíssimo pintado por um amigo meu o Om Lumen...falta-em fazer ainda essa referência para depois as pessoas clikarem lá e verem as obras dele. E no final do post, tens um presente do dia de S. Valentim...que para mim é dia A...de Amor e não dos namorados!
    Beijocas doces
    Sempre...
    MAriz

    ResponderExcluir
  6. Olá!!!

    Que blog incrível adorei!!!!

    Parabéns pela escolha! Amo Drummond e voltarei sempre aqui!

    Faça-me uma visita será um prazer!
    beijos

    ResponderExcluir
  7. o MUNDO É UMA METAFORFOSE E NÓS STAMSO EM MEIO A TUDO ISSO.... nOSSA SEGURANÇA É SÓ DEUS....

    ResponderExcluir
  8. Caramba, este cara é um mestre, é sempre um prazer ler o que ele escreve.

    Saudade de passar por aqui, Rô, sinto falta da vózinha virtual, rs.
    Hoje eu estive escrevendo lá no blog da Du só pra tirar o gostinho, mas volto sempre que puder.

    Beijão, fica com Deus.

    ResponderExcluir
  9. AH Drumond!
    a serenidade nas palavres e a firmeza do saber expressa-las!
    boa semana!

    ResponderExcluir
  10. Vó, eu adoro as palavras do Drummond, são sempre especiais... Hoje tbm tem Drummond lá no meu porto!!

    Bom diia, Vó!
    Te amooo!!

    =)

    ResponderExcluir

"Concedei-nos, Senhor, a serenidade necessária
Para aceitar as coisas que não podemos modificar,
Coragem para modificar aquelas que podemos,
E sabedoria para distinguir umas das outras".

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails