terça-feira, 22 de julho de 2008

Só para Du...com saudades



Uma coletânea de
Clarice Lispector só para Du nossa bruxinha querida!


"Até cortar os próprios defeitos pode ser perigoso. Nunca se sabe qual é o defeito que sustenta nosso edifício inteiro.
Saudade é um pouco como fome. Só passa quando se come a presença. Mas às vezes a saudade é tão profunda que a presença é pouco: quer-se absorver a outra pessoa toda. Essa vontade de um ser o outro para uma unificação inteira é um dos sentimentos mais urgentes que se tem na vida.

Liberdade é pouco.
O que eu desejo ainda não tem nome.
(Perto do Coração Selvagem)

Não quero ter a terrível limitação de quem vive apenas do que é passível de fazer sentido. Eu não: quero uma verdade inventada.

É curioso como não sei dizer quem sou. Quer dizer, sei-o bem, mas não posso dizer. Sobretudo tenho medo de dizer porque no momento em que tento falar não só não exprimo o que sinto como o que sinto se transforma lentamente no que eu digo.

Porque eu fazia do amor um cálculo matemático errado: pensava que, somando as compreensões, eu amava. Não sabia que, somando as incompreensões é que se ama verdadeiramente. Porque eu, só por ter tido carinho, pensei que amar é fácil.

Suponho que me entender não é uma questão de inteligência e sim de sentir, de entrar em contato... Ou toca, ou não toca.

Quando se ama não é preciso entender o que se passa lá fora, pois tudo passa a acontecer dentro de nós.

Minha força está na solidão. Não tenho medo nem de chuvas tempestivas nem de grandes ventanias soltas, pois eu também sou o escuro da noite.

Ela acreditava em anjo e, porque acreditava, eles existiam.
(A Hora da Estrela)

E se me achar esquisita,respeite também.Até eu fui obrigada a me respeitar.

Mas tenho medo do que é novo e tenho medo de viver o que não entendo - quero sempre ter a garantia de pelo menos estar pensando que entendo, não sei me entregar à desorientação.

Passei a vida tentando corrigir os erros que cometi na minha ânsia de acertar.

Sou como você me vê.Posso ser leve como uma brisa ou forte como uma ventania,
Depende de quando e como você me vê passar.

Não tenho tempo pra mais nada, ser feliz me consome muito.
Olhe, tenho uma alma muito prolixa e uso poucas palavras. Sou irritável e firo facilmente. Também sou muito calma e perdôo logo. Não esqueço nunca. Mas há poucas coisas de que eu me lembre.

Com todo perdão da palavra, eu sou um mistério para mim.

...estou procurando, estou procurando. Estou tentando me entender. Tentando dar a alguém o que vivi e não sei a quem, mas não quero ficar com o que vivi. Não sei o que fazer do que vivi, tenho medo dessa desorganização profunda.

MUDE
Mude,mas comece devagar,porque a direção é mais importanteque a velocidade.
Sente-se em outra cadeira,no outro lugar da mesa.
Mais tarde, mude de mesa.
Quando sair,
Procure andar pelo outro lado da rua.Depois, mude de caminho,ande por outras ruas,calmamente,...

Eu não sou tão triste assim, é que hoje eu estou cansada

Porque há o direito ao grito,então eu grito.

Eu não sou promíscua.
Mas sou caleidoscópica: fascinam-me as minhas mutações faiscantes que aqui caleidoscopicamente registro.

É difícil perder-se. É tão difícil que provavelmente arrumarei depressa um modo de me achar, mesmo que achar-me seja de novo a mentira de que vivo.

Terei toda a aparência de quem falhou, e só eu saberei se foi a falha necessária".
(A paixão segundo G.H)




2 comentários:

  1. Já estou até vendo a reação da Du, toda emotiva, pois sabemos que ela ama a Clarice! rsrs Bela homenagem, Rô!

    Beijos, meninas (Rô e Du)!

    ResponderExcluir
  2. É, o Juca me conhece bem! Assim como eu chorei quando vi a música que ele colocou lá na Lavanderia pra mim, eu chorei agora vendo esse post tão especial, tão cheio de Clarice, tão cheio de mim!
    E eu que cheguei a pensar em nunca mais voltar, acredita Rô?
    Mas a cada dia que passa eu sinto mais falta de todos vocês e não vejo a hora de estar de volta, se Deus quiser com a alma renovada, pronta pra começar do ponto onde parei.
    Muito obrigada por tudo, nem tenho palavras pra agradecer tanto carinho e dizer que te amo pode até pouco.

    Beijão

    ResponderExcluir

"Concedei-nos, Senhor, a serenidade necessária
Para aceitar as coisas que não podemos modificar,
Coragem para modificar aquelas que podemos,
E sabedoria para distinguir umas das outras".

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails